Oposto brilhante

Brilhante Victoria - Freak The Freak Out (tradução) (Letra e música para ouvir) - Are you listening / Hear me talk / Hear me sing / Open up the door / Is it less, is it more / When tell me to beware / Are you here / Are you there / Is it Significado de brilhante. O que é brilhante: brilha, brilhoso.excelente, ótimo. Qual é o oposto de: a) Culpa b) Abençoe c) Negrito d) Brilhante e) Iluminar f) Amplo 1 Ver a resposta Aliany1 está aguardando sua ajuda. Inclua sua resposta e ganhe pontos. ISRAELOLIVEIRA234 ISRAELOLIVEIRA234 A)impenitência b)amaldiçoe c)não existe d)deslustrado Brilhante Victória. Categorias Relacionadas ... ª Temporada Episódio 01 - O Armazém Do Wanko - Assistir Episódio 02 - O Rei do Hambone - Assistir Episódio 03 - Encontro Oposto - Assistir Episódio 04 - Três Garotas e Moose - Assistir Episódio 05 - Sem Celulares - Assistir Episódio 06 - Tori Salva Beck e Jade - Assistir Episódio 07 ... São 32 looks, nem todos são bonitos mas todos são icônicos. Você pode encontrar e baixar os Vetores de Oposto mais populares no Freepik. Há mais de 2.000 vetores, fotos de arquivos e arquivos PSD. Lembre-se de que essas imagens de alta qualidade são grátis para uso comercial Antônimos de Morto no Dicionário de Antônimos. O contrário de Morto é: animado, cheio, vivo, brilhante, luzente, garrido ... Antônimos de Brilhante no Dicionário de Antônimos. O contrário de Brilhante é: apagado, escuro, sombrio, desalumiado, obscuro, lúgubre, so ... Olá! Obscuro é o antônimo de brilhante.. Antônimo é uma palavra de origem grega formada pela junção de anti (contrário ou oposto) e onymia (nome), ou seja, palavra que significa o contrário de outra.Antônimos são palavras que possuem significado oposto em relação a uma outra palavra.. Hesitação é o ato ou efeito de hesitar. Significa indecisão, dúvida, titubeação, etc. O ... Dicionário online de Português. Antônimos de brilhante: fosco, comezinho, simples, modesto, mate, rofo, baço, incógnito, humilde, apagado, ignorado, acesse e ...

Sinto que fracassei como nunca!!!!

2020.09.26 02:41 umalguemai Sinto que fracassei como nunca!!!!

Bem vou começar falando um pouco de mim e minha jornada até o fracasso total e talvez suicídio... Eu sempre fui aquele "ovelha Negra" da família o mais levado, o mais bagunceiro, o mais engraçado, porém eu sempre tentei ser o oposto do que me chamavam se você me chamasse de engraçado eu logo tentaria ficar sério... Além disso dos três irmãos eu só o do meio, sempre fui considerado muito bonito (sem querer me achar) chamado pra ser modelo diversas vezes.. porém eu tenho um defeito desgraçado que talvez nunca tenha percebido quanto isso me ferra e ferrou minha vida.. se chama "baixa autoestima" mesmo sendo com tais características, com isso fui praticar esporte comecei com karatê Fiquei 2 meses e fui pro judô gostava pra caramba porém a vergonha e dificuldade de me relacionar com os outros praticante me fizeram abandonar esses três anos , sai de lá e pouco fiz questão (um dos motivos era que eu tinha vergonha, me sentia fraco e humilhado) talvez eu fosse um covarde no final das contas, então comecei a praticar calistenia... Fui longe até demais.. em 2 anos já era destaque, porém eu fui muito burro e esqueci das lesões (tive 5) sendo uma que foi no meu quadril(desgaste do fêmur) e virou crônica acabando com todos meus sonhos e me deixando em uma depressão (tenho 19 anos) meu irmão faz faculdade e eu ferrei todos os meus sonhos por querer *malhar" e achar que dou conta das coisas sozinho agora minha mãe chora, pois eu vi o quanto eu desperdicei os momentos bons da minha vida as vezes eu acho que sou um vigoretico (viciado em treino) mas minha mãe me deu TDS oportunidade que um filho pode ter mesmo não sendo rico e eu com minha burrice e ignorância ferrei tudo, eu não sou muito inteligente talvez eu fosse disciplinado mas a depressão tira isso de você ... Aliás na época da escola eu era cheio de garotas atrás de min mas a vergonha desgraçada nunca me deixou namorar e eu focava em outra coisa, era considerado "legal" que teria um futuro brilhante... hoje mesmo podendo nem quero pois não vejo perspectiva no futuro eu me sinto muito burro pois conseguir me lesionar tanto que hoje manco as vezes, e olha que eu era o cara que corria 10km..., tentei cortar os pulsos e minha mãe viu (pior coisa fui ver minha triste, Acho que doeu mais que o corte), sla.. as vezes Acho que caguei minha vida
submitted by umalguemai to desabafos [link] [comments]


2020.09.04 05:42 SpeedHS11 Edgar Allan Poe - O Gato Preto e Outras Histórias

Edgar Allan Poe - O Gato Preto e Outras Histórias (editora PandorgA) 
https://preview.redd.it/216yppdxq1l51.jpg?width=566&format=pjpg&auto=webp&s=e5378e193d4acd6aab19abf302c57accc2e82527
Este livro contém 4 contos:
- o gato preto (1843)
- Ligeia (1838)
- a queda da Casa de Usher (1839)
- pequena conversa com a múmia (1839)

O Gato Preto (1843) 
''NÃO ESPERO NEM PEÇO que acreditem neste relato estranho, porém simples, que estou prester a escrever. Louco seria se eu o esperasse, em um caso onde meus próprios sentidos rejeitam o que eles mesmos testemunham.''
Faço das palavras de Poe as minhas, o conto começa com Poe falando de sua paixão por animais, e que sempre foi mimado pelos pais em relação à isso, o conto carrega toda uma história por trás, a começar pelo nome Plutão, que é o apelido de Hades (deus dos mortos), a cor preta, a superstição de que gatos pretos seriam bruxas disfarçadas e também a ideia de sete vidas dos gatos, todas essas características se encaixam perfeitamente no enredo do conto.
Com o passar do tempo, Poe foi mudando para uma pessoa pior, graças ao alcoolismo, se tornando mais melancólico, irritável, e indiferente às todos ao seu redor, menos ao gato, porém isso não durou muito tempo e o gato agora também passara a sofrer assim como todos os outros com as atitudes de Poe.
Quando Poe voltava para casa após mais uma noite de puro alcoolismo, percebeu que Plutão evitava-o, percebendo isso tratou de agarrar o gato, porém, o gato ficou assustado (com razão) e acabou dando uma pequena mordida em sua mão, isso despertou uma fúria (como o próprio Poe diz, demoníaca) e ele acaba por arrancar o olho do gato com um canivete que estava em seu bolso.
''de fazer o mal pelo único desejo de fazer o mal'' E foi assim que Poe fez o que ele julgava errado mas fez. Em uma manhã fria ele enforcou e matou o gato, no galho de uma árvore enquanto lágrimas escorriam de seus olhos, segundo as próprias palavras de Poe: ''enforquei-o porque sabia que assim fazendo estava cometendo um pecado - um pecado mortal, que comprometeria então minha alma importal e a colocaria - se tal coisa fosse possível - além do alcance da infinita misericórdia do Deus mais misericordioso e mais terrível.'' A noite do mesmo dia terminou com a casa de Poe em chamas, a cortina de seu quarto pegou fogo e por pouco conseguiram sair todos vivos e a casa acabou completamente destruída.
No dia seguinte ao incêndio, quando Poe visita as ruínas do que sobrou de sua casa, todas as paredes com exceção de uma tinham desabado e justo nessa única parede que não havia sido destruída completamente, estavam as palavras ''estranho!'', ''singular!'' e outras expressões similares, que despertaram a curiosidade de Poe, porém, o que mais o intrigava era o fato de que nessa mesma parede havia a figura de um gato de um gato gigantesco e havia uma corda ao redor do pescoço do anomal, Poe criou uma grande explicação para o ocorrido e se deu por satisfeito, embora dessa forma tenha prontamente satisfeito a razão, ele não poderia dizer o mesmo quanto à sua consciência.
Sem mais nem menos, surge um gato preto extremamente parecido com Plutão, no meio da noite em mais um dia de bebidas de Poe, os dois acabam gostando um do outro e assim, o gato segue para a casa de Poe e logo se familiariza com a casa e a esposa. Aos poucos por alguma razão Poe começou a sentir uma aversão ao gato, o fato do animal não ter um olho e a marca no peito do gato que antes era indefinida, mas agora essa marca branca passa a ser a imagem do enforcamento, contribuiram para essa aversão.
Certo dia enquanto ia para o seu porão, o gato mais uma vez o seguia e acompanhava-o, desta vez o gato acompanhava Poe enquanto descia as escadas e quando o fazendo cair, isso despertou uma fúria demoníaca em Poe, que na mesma hora pegou seu machado, quando estava pronto para matar o animal sua mulher interviu, desviando o golpe, sem pensar Poe enfiou o machado na cabeça de sua mulher, ela caiu morta sem sequer gemer.
Poe agora precisava se livrar do corpo, pensou e chegou na conclusão que deveria emparedá-la no porão, o que ele fez foi retirar os tijolos de um ponto da parede que havia uma saliência de uma falsa chaminé e fez no final das contas um ótimo trabalho.
O gato obviamente assustado com a situação fugiu e nunca mais voltou, isso despertou uma sensação de alívio em Poe, ele se sentia um homem livre, a sua consciência em relação sua mulher, pertubava- o pouco. No dia seguinte policiais foram até a casa fazer uma última busca e quando já estavam prestes a ir embora, Poe cita o quanto aquele porão fora bem construído e acaba por bater na parede com a bengala que segurava, na qual estava o cadáver de sua mulher do coração.
O eco da batida nem tinha acabado de soar quando uma voz de dentro respondeu com um uivo, como se tivesse vindo do inferno, com isso Poe quase desmaia até a parede do lado oposto, o cadáver ''com a boca vermelha escancarada e o olho solitário de fogo, estava sentada a criatura hedionda cujos ardis tinham me seduzido ao assassinato, e cuja voz delatora havia me condenado à forca. Eu tinha emparedado o monstro dentro da tumba!''
Ligeia (1838) 
O conto começa com Poe lembrando-se de Ligeia, fazendo grandes elogios e lembrando-se apenas que a encontrou pela primeira vez em alguma grande e decadente cidade às margens do Reno. Poe não se lembra do nome de sua família.
''Não existe beleza rara sem que haja algo de estranho em suas proporções''. Poe segue exaltando Ligeia: Alta, porte majestono, a quietude complacente de seu comportamento... A pele rivalizava com o mais puro marfim, a imponente fronte sobressaindo e a delicada proeminência acima de suas têmporas, as brilhantes e negras madeixas, negras como as asas de um corvo, luxuriantes cachos naturais, suas linhas delicadas do nariz, as covinhas, os olhos bem maiores do que o comum, a magnífica curvatura do lábio superior e o aspecto suave e voluptuoso do inferior. Ele se lembra de seus olhos, incríveis e incomuns, largos e luminosos, e sentiu fortes sentimentos ao lembrar de seus olhos, que só sentiu os mesmos sentimentos raramente quando: viu o crescimento de uma videira, numa mariposa, uma borboleta, um fluxo de água corrente...
Poe lembra dos primeiros anos de casamento, em que ele confiava em Ligeia em nível de confiança semelhante à de uma criança, a ser guiada por ela, em um caótico de investigação metafísica em que se achava ocupado durante os primeiros anos de casamento. Enquanto Poe acompanhava de perto a morte de Ligeia na cama, ela demonstra todo a sua paixão e pede a Poe que leia alguns de seus versos, logo após Poe terminar a leitura, Ligeia ergueu-se e teve espasmos, e então, abaixou os braços retornando ao leito de morte e morreu.
Meses depois do ocorrido, Poe, compra uma abadia em um lugar remoto da Inglaterra se casa com Lady Rowena, no primeiro mês de casamento ela temia o violento mau-humor de Poe seu temperadomento, que tanto evitava e amava. No segundo mês de casamento Lady Rowena fica doente e demora para se recuperar até que um segundo e mais violento acesso a acometeu, colocando-a de volta à cama em sofrimento, ela começa a ficar doente de forma mais grave e reccorente, Poe então decide dar uma taça de vinho para recuperá-la, foi aí então que ele ouviu passos leves sobre o carpete próximo a cama, e então quando Rowena estava prestes a bebero cálice, ele viu caindo dentro da taça, três ou quatro grande gotas de um brilhante líquido, porém ele achou que fosse tudo imaginação e não mencionou o fato à ela, algum tempo depois ela morre e seu corpo é preparado para o túmulo.
Com o tempo, Poe percebe que suas bochechas voltam a ficarem vermelhas, durante alguns dias ele escuta alguns sons do cadáver e havia até mesmo uma leve pulsação de seu coração, ela estava viva, porém, sempre indo e voltando da morte, com grandes sinais à prova, mas Poe não se importava e estava cansado das violentas emoções.
De repente, ela ergue-se da cama, cambaleando de olhos fechados avanã para o meio do quarto, Poe se aproxima e toca, fazendo assim cair os tecidos sinistros que a enrolavam, revelando assim seus cabelos negros, mais negros que as asas de um corvo da meia-noite e os grandes olhos, grandes, negros e selvagens de seu perdido amor, Lady Ligeia.
A queda da Casa de Usher (1839) 
Poe percorri de cavalo um caminho escuro, chegando à casa de Usher (sua caraterística principal era parecer excessivamente antiga) ele sente uma sensação de insuportável melancolia invadir seu espírito, ele chega até a sala grande e imponente em que Usher (um dos únicos amigos de infãncia e adolescência de Poe) estava, Usher então se levanta do sofá e o comprimenta calorosamente. Com sua voz que variava rapidamente de um indecisão trêmula até uma forma pesada e lenta de falar, ele contou sobre o objetivo da visita e do consolo que ele esperava sentir com a presença de Poe e abordou a causa de sua doença, disse que era um mal constitucional e familiar para o qual ele já não tinha esoerança de encontrar uma cura.
Ele sofria de um aguçamento mórbido dos sentidos: só suportava as comidas mais insípidas, só podia uisar vestes de certa textura, o cheiro de todas as flores o oprimia, uma mera luz fraca torturava seus olhos e somente alguns sons não lhe inspiravam horror. Poe percebe pouco a pouco por meio de alusões entrecortadas e ambíguas, ele estava dominado por certas impressões supersticiosas com relação ao imóvel onde vivia e de onde, por muitos anos, nunca havia se aventurado a sair, superstições acerca de uma influência cuja força hipotética foi descrita em termos muito obscuros para ser relatada aqui e a aproximação evidente e iminente da morte de sua querida e amada irmã, lady Madeline.
Lady Madeline tinha uma apatia, uma devastação física lenta e gradual, e frequentes afecções de um caráter parcialmente cataléptico. Até então, lutara com firmeza contra a doença e não se entregara à cama, mas, ao final da noite, ela sucumbiu e Poe nunca mais a veria a mesma dama pelo menos enquanto vivesse.
Usher declarou que tinha a intenção de preservar o corpo da irmã por quinze dias (antes de finalmente sepultá-la), em uma das várias câmara que existiam dentro dos muro principais da casa, a razão era o caráter incomum da morte da falecida e as inevitáveis perguntas inoportunas e impulsivas por parte dos médicos, Poe ajuda pessoalmente nos preparativos do sepultamento temporário, levam ao à uma câmara que estivera fechada por muito tempo e lá é revelado que Usher e sua irmã eram gêmeos.
Uma noite tempestuosa, ma terrivelmente bela invadiu o quarto quase erguendo-os do chão, um vapor agitado subia pela casa e a encobria como uma mortalha, Poe logo retirou Usher de perto da janelo e colocou-o na poltrona, lendo um de seus romances favoritos: ''O Louco Triste'' de Sir Launcelot Canning.
Ao terminar a leitura, em que um escuto havia caído sobre um piso de prata, Poe, como escuta como se relamente um escudo de bronze tivesse caído com todo seu peso sobre um pavimento de prata. Quando Usher é questionado por Poe sobre o barulho, Usher: ''Sim, eu ouço e tenho ouvido. Por muito... muito... muito tempo... por muitos minutos, muitas horas, muitdos dias ouvi... Nós a colocamos viva no túmulo! INSENSATO! ESTOU LHE DIZENDO QUE ELA AGORA ESTÁ DO OUTRO LADO DA PORTA!''
Como em um passe de mágica, a porta para que Usher apotava abriu lentamente, e lá estava a figura alta e amortalhada de lady Madeline Usher. Então, com um lamento baixo, desabou pesadamente sobre o corpo do irmão, e em sua agonia final, arrastou-o para o chão, morto, vítima dos terrores que havia previsto.
Poe então foge horrorizado daquele quarto e daquela mansão, de repente, uma luz forte surgiu no caminho, era a luz da lua cheia, um vermelho escalarte que brilhava através daquela rachadura na mansão e que se estendia até do telhado até o chão. Dali veio um sopro forte do redemoinho, as grandes paredes desabavam enquanto se ouvia uma demorada e tumultuada gritaria, como se o ruído viesse de mil aguaceiros, e o lago profundo e gélico aos seus pés se fecharam, de forma sombria e silenciosa, sobre os destroços da ''Casa de Usher''.
Pequena Conversa Com a Múmia (1839) 
O simpósio (festa após um banquete) da noite anterior tinha sido demais para Poe, com uma dor de cabeça miserável e caindo de sono preferiu fazer uma última refeição antes de dormir (Welsh rabbit). Porém, ainda não completara o terceiro ronco quando a camapinha começa a tocar furiosiamente, era um bilhete do doutor Pononner, que dizia que obteve o consentimento dos direitos do museu da cidade para examinar uma Múmia, em um salto se levantou da cama rumo à casa do doutor.
Chegando na casa do doutor ele encontrara um grupo ansioso e a Múmia, encontrada às margens do Nilo, estendida sobre a mesa de jantar, acâmara onde fora encontrada a Múmia era rica em ilustrações, isso indicava uma vasta riqueza do morto. Encontraram o corpo em ótimo estado de preservação, sem nenhum odor perceptível, cor avermelhada, olhos removidos e substituídos por olhos de vidro, cabelos e dentes em boas condições. Quando perceberam que já passava de duas horas da manhã, decidiram adiar a dissecação até a noite seguinte, porém, alguém surgiu com a ideia de fazer um experimento com a pilha de Volta (aplicar eletricidade).
Prestes a ir embora, Poe se depara com as pálpebras da Múmia coberta pelas pálpebras, depois do choque inicial decidiram prosseguir com um novo experimento, e, durante o mesmo, a Múmia desfere um pontapé no doutor Ponnonner que foi lançado à rua janela abaixo. Depois de iniciarem o teste elétrico a Múmia espirrou, sentou e se dirigiu aos senhores Gliddon e Buckingham com um egípcio perfeito um discurso, neste discurso ele reclamou de ser despido num dia frio e da forma como fora tratado.
Gliddon fez um discurso em que citava principalment os enormes benefícios que a ciência podera obter com o desenrolamento e a evisceração das múmias e aproveitou o momento para se desculpar por qualquer incômodo que pudéssemos ter causado à múmia Allamistakeo, reparando que ela estava se tremendo de frio, o doutor correu e logo voltou com uma casaca preta, um par de calças xadrez azul-celeste, uma camisa xadrezinha cor de rosa, um colete de brocado com abas, um sobretudo branco, uma bengala de passeio, um chapéu sem aba, um par de botas de verniz, um par de luvas de pelica cor de palha, um monóculo, um par de suíças e uma gravata cascata.
Seguiu-se uma série de perguntas e de cálculos pelos quais se tornou evidente que a antiguidade da múmia tinha sido muito mal avaliada, haviam passado cinco mil e cinquenta anos e alguns meses desde que ela tinha sido despachada. Logo depois a múmia explica o princípio fundamental do embalsamento e que gozava de ter o privilégio de ter nas veias sangue do Escaravelho, pois só assim teria o direito em sua época de ser embalsamado vivo. O Escaravelho era o brasão, as ''armas'' de uma família muito nobre e muito distinta, pois era comum se retirar o cérebro e as vísceras do cadáver antes de embalsamá'lo, só o clá dos Escaravelhos não seguia essa regra.
''Veja nossa arquitetura!'' gritava Ponnonner. ''A Fonte Bowling-Green!Ou, se esse espetáculo e imponente demais, contemple por um instante o Capitólio, em Washington, D. C.! E o bom doutorzinho chegou até a detalhar de forma minuciosa as proporções do edifício a que se referia. Explicou que o pórtico era adornado com não menos que vinte e quatro colunas, cada uma com um metro e meio de diâmetro e colocadas a três metros de distância umas das outras.
O conde respondeu que lamentava não se lembrar das dimensões precisas de nenhum dos edifícios principais da cidade de Aznac, cuja fundação se perdia na noite dos séculos, mas cujas ruínas permaneciam ainda de pé, se lembrou de ter visto um palácio secundário que tinha cento e quarenta e quatro colunas, com onze metros de circunferência e sete metros de distância entre cada uma delas, o acessoa esse pórtiro, vindo do Nilo, era feito através de uma avenida de três quilômetros, composta por esfinges, estátuas e obeliscos de seis, dezoito e trinta metros de altura. O palácio em si tinha, só em uma das direções três quilômetros de comprimento e deveria ter, ao todo, uns onze de circuito. As paredes eram ricamente decoradas, por dentro e por fora, com pinturas hieroglíficas. Ele não pretendia afirmar que até cinquenta ou sessenta dos Capitólios do doutor poderiam ter sido construídos dentro dessas paredes, mas que tinmha absoluta certeza de que duas ou três centenas deles se espremeriam ali com alguma dificuldade.
Nisso se seguiu a noite com os cavalheiros fazendo perguntas complexas ao egípcio, que respondia todas surpreendentemente bem, os cavalheiros não sabiam mais que perguntas fazerem, pois, a cada pergunta que faziam, o egípcio respondia todas e simplesmente os calava com sua superioridade egípcia em basicamente todas as áreas mencionadas pelos cavalheiros ali presente.
Porém, quando estavam prestes a serem derrotados intelectualmente, Ponnonner perguntou se as pessoas no Egito realmente pretendiam rivalizar com as pessoas modernas, na importantíssima questão do vestuário. O conde então olhou para os suspensórios de suas calças e, segurando a ponta de seu fraque, segurou-os perto dos olhos por alguns minutos. Deixando-os cair finalmente, sua boca escancarou-se gradualmente de uma orelha à outra, mas não me lembro se respondeu alguma coisa.
O egípcio baixou a cabeça. Nunca houve um triunfo tão completo, nunca antes a derrota foi assumida com tanto despeito, Poe pega seu chapéu e parte para casa. Chegou em casa depois das quatro horas da manhã e foi-se deitar, agora eram dez horas da manhã com Poe escrevendo estas lembranças, ansioso para saber quem será o Presidente em 2045, iria procurar o doutor Ponnonner e pedir para que seja embalsamado por alguns séculos.
submitted by SpeedHS11 to Livros [link] [comments]


2020.08.19 04:37 FlavioKD9 Um desabafo (de anos) um tanto quanto longo

Bom dia, boa tarde ou boa noite, queria deixar claro aqui que se você tiver paciência pra ler e opinar, agradeço. Mas já sei que vou levar muitos down votes, por que sei que o meu “problema” é nada comparado a outros mil que tem aqui.
Bom, vou começar da minha infância, sempre tive que me virar sozinho pois meu pai e minha mãe trabalhavam muito, e não tinha ninguém para me ajudar, então desde cedo cresci sozinho, e me virando. Isso é bom, aprendi desde cedo a cozinhar, limpar a casa, tarefas básicas do dia a dia. Na escola, nunca fui de ter muitas amizades, eu sempre fui o garoto gordinho que ficava sentado sozinho lendo ou escutando música. Isso perdurou até o fim do ensino fundamental, quando fui para o ensino médio, os problemas de amizade diminuíram um pouco, fiz alguns amigos que duraram exatos 3 anos. Eu já tinha gostado de algumas garotas na época do fundamental, mas nunca tinha me declaro por ser feio e gordo, eu achava isso ruim, mas, desde aquela época, não tinha força de vontade para encarar uma academia ou algo do tipo. Voltando para o ensino médio, começaram a aparecer os primeiros resquícios de falsidade entre os amigos, e então, eu me declarei para uma amiga, estávamos bem próximo na época, e aí aconteceu o que? A friendzone? Não, foi algo pior, quando eu me declarei para ela, ela me olhou e disse que não gostava de mim, e só tinha ficado mais próximo, para mim ajudar ela a ficar com o meu melhor amigo.
Lembra que tinha melhorado o meu problema com amizade? Então, a partir daquele momento, tudo tinha voltado para a estaca zero. Enfim, terminei o ensino médio com perrengues e muitas greves, inclusive eu tive o privilégio de conseguir fazer um curso pré-ENEM, se não estaria muito ferrado naquela maldita prova. Logo depois tive que encarar uma decisão fudida quando você tem 17/18 anos: o que fazer do futuro? Como a maioria (fontes das vozes na minha cabeça), eu não fazia ideia do que escolher, até porque eu gostava de jogar videogames, ler e escutar músicas. Foi então que decidi fazer Análise e Desenvolvimento de Sistema, e eu... odiei. Desenvolver é mágico, mas não é para mim. Então, teve todo um rolo com problema de matricula na minha faculdade, e eu iria perder um semestre, e como eu já não aguentava mais, eu decidi sair, foi então que por pressão dos meus pais (eu entendo que eles queriam o meu melhor e que eu tivesse pelo menos um diploma para não prejudicar o meu futuro), eles me fizeram entrar em uma faculdade particular, só que não tinha nenhum curso que me chamasse atenção, então vamos novamente para Análise e Desenvolvimento de Sistemas, como eles estavam pagando, eu tinha a obrigação de dar o meu melhor e passar. Ok, eu ia fazer o ENEM de novo, para tentar alguma outra coisa, foi então que eu tive a brilhante (idiota) ideia de ir para o oposto do que já estava estudando, entrei para História Bacharel (não me pergunte o porquê, pois foi um surto meu), cursei um ano, e por divergências de opiniões e expectativas frustradas (!), resolvi trancar, até para terminar a outra faculdade.
No final do ano passado (2019, que saudades de quando não tinha quarentena), conclui a faculdade particular, então meus pais estavam tranquilos, porque se desse alguma merda, eu tinha uma formação, e eu estava no começo da minha “crise”. No início desse ano, meu único e fiel amigo, que me acompanhou por 11 longos anos, morreu com uma doença que até hoje não descobrimos o que era, fizemos de tudo para salvar, mas não rolou. Eu e meus pais éramos muito apegados nele, resumindo ele dava alegria e energia para a casa. 2020 já tinha começado daquele jeito, que merda. Vou passar por alguns meses porque foi um trauma e meses de “recuperação”, então aconteceu a merda da COVID, comecei a ter crises de ansiedade quando via as notícias de quantas pessoas morriam por dia. Meses de ansiedades e falta de estabilidade mental depois, acontece uma parada que eu nunca tinha tido (ou, pelo menos, não lembro), eu me apaixonei platonicamente por uma artista brasileira 5 anos mais velha, desde o início dessa “paixão”, eu tentei colocar na minha cabeça de que nunca ia rolar (até hoje estou tentando) até mesmo para não me frustrar, mas não funcionou, e o pior é que não é nada sexual, ou coisa do tipo, é gostar de estar com a pessoa, ouvir ela falar, cantar, etc. Eu sei que agora provavelmente você deve estar pensando: “Alerta de maluco!!”, até porque eu estou pensando isso agora.
Ok, depois de estar formado, com uma faculdade trancada, apaixonado por uma atriz, chegou a famosa (conheci fazem 15 minutos) crise dos 20 e poucos. Meu pai é baterista e eu sempre vivi em volta da música, mas nunca tive determinação de aprender um instrumento. Mas, agora na quarentena, me veio a vontade de aprender a tocar violão (eu já o tinha parado há alguns anos, ganhei em algum aniversário), só que aí veio os sonhos malucos, comecei a sonhar alto demais, e, sempre que se sonha alto, vem as frustrações, por que é a minoria que consegue o que eu comecei a sonhar. Eu sonhei em ser Ator, Diretor, Escritor, Músico, resumindo, eu quero ser famoso, e eu sei que a partir do momento em que eu sonhei isso, já virou uma bola de neve de frustrações, porque para ser bom nessas coisas, a pessoa tem que treinar desde criança/adolescente, e eu com meus 21 para 22 anos, não sou mais um estudante, e sim um desempregado. Comecei a fazer pesquisas sobre a área e sobre o instrumento, li um artigo que para se tornar profissional, tinha que tocar há 15 anos. Mais crises de ansiedades. Ah, aí você me pergunta, com o que eu gastei o tempo dos meus 17 aos 21? Isso mesmo, videogames. Não vou mentir, eu gosto, ou gostava, nem sei mais quem eu sou. Fiquei pensando nisso e adivinha? Mais frustrações.
Agora eu estou em um looping, de tentar aprender alguma coisa, mas ter medo de ser miserável nisso, então eu não aprendo essa tal coisa, fico frustrado e começa tudo de novo. Já está chegando no ponto de eu pensar em fazer alguma coisa nova, mas desistir em seguida. Agora quando a faculdade voltar, pretendo mudar para Artes e estudar cinema e artes plásticas (não tem apenas o curso de Cinema aqui na minha cidade). Eu sei que pode parecer bobagem, mas eu não tenho mais forças pra levantar (falta de boleto!) de manhã, e sei que esses meus sonhos altos só vão levar em frustrações enormes, que eu não quero acumular para jogar em alguém. Sinto enormes dores de cabeça, e uma dor que eu não consigo explicar, não é algo físico, mas quando começo a sentir, me causa uma respiração ofegante e uma vontade de não existir.
E eu também sei que eu sou um puta hipócrita, que sou privilegiado por ser homem, branco e hetero. Que tem pessoa passando por muita coisa pior. Eu olho para todas essas merdas acontecendo pelo país e mundo, e sei o privilégio que eu tenho. Reconheço isso, mas essa vontade de não existir, é algo que parece colocar mais peso em problemas que são “comuns”. Eu não tenho coragem de fazer nada, porque eu sou filho único, e minha mãe já perdeu um irmão para a merda da depressão. Então, eu só convivo com isso, com as frustrações e sonhos altos demais, pretendo ir para um psicólogo quando a merda do COVID acabar, mas por enquanto, encontrei um lugar para falar mais abertamente sobre o assunto, que é esse sub, e, depois de anos, vou finalmente desabafar totalmente. Agora eu não sei exatamente o que fazer, estou tentando me forçar a tocar violão, mesmo com uma voz na minha cabeça dizendo eu vou ser miserável e nunca vou chegar aos pés dos profissionais.
Se você leu até aqui, primeiro, Parabéns! Segundo, obrigado por perder tempo lendo esses “problemas” boçais. Terceiro, fica a vontade de comentar, dar um conselho, me xingar, ou qualquer coisa do tipo. 😊 Desculpa se eu repeti ou deixei alguma coisa fora do contexto, coerência não foi o meu forte na redação do ENEM.
submitted by FlavioKD9 to desabafos [link] [comments]


2020.08.12 02:31 GuilhermeSPD Mourão: Entre Churchill e Pétain.

Mourão: Entre Churchill e Pétain.

Da esquerda para direita: Philippe Pétain, Hamilton Mourão e Winston Churchill.
A história militar, não só brasileira mas também mundial está repleta de exemplos de traidores nacionais saídos das fileiras de suas forças armadas. No Brasil, temos os casos de Luiz Carlos Prestes e Carlos Lamarca, dois oficiais do Exército Brasileiro que preferiram aderir aos interesses revolucionários de nações comunistas internacionais (sendo a maior expoente, na época, a União Soviética), abandonando as fileiras das forças de defesa dos países que juraram proteger com a própria vida se preciso fosse.
Hoje sabemos que existe no mundo um consórcio maligno formado por forças globalistas e meta-capitalistas, unidas a um partido comunista que domina há 70 anos com mão de ferro e total controle social a maior nação asiática. Está cada vez mais claro que este consórcio tem como um de seus principais objetivos a supressão de todos nossos direitos mais essenciais, especialmente a liberdade de pensamento e expressão, o direito de ir e vir, e os direitos religiosos.
Ao analisar este cenário geopolítico atual é impossível não fazer um paralelo com o mundo do final da década de 30 do século passado, que se encontrava sob uma ameaça tão terrível quanto a que estamos vivendo hoje. Naqueles tempos, o mundo assistia assombrado um partido totalitário de cunho nacional-socialista dominar a nação mais bem-sucedida da Europa e espalhar a opressão e o terror entre a sua própria população, enquanto começava a estender suas garras sobre os países vizinhos.
Após Hitler invadir e anexar aos seus domínios a Áustria e os Sudetos (região da extinta Tchecoeslováquia), os povos dos demais países europeus atingiram um nível de preocupação e tensão elevadíssimo, mas ainda assim, nenhuma nação ousou reagir aos crimes cometidos pelo regime nazista. Este fato nos remete à displicência das nações mundiais diante dos absurdos cometidos pelo regime ditatorial da nação oriental que atualmente avança sobre o mundo. Pois é, qualquer semelhança não é mera coincidência.
Naquele momento, a reação do mundo livre tardou, mas finalmente aconteceu. Após a invasão de mais um país, desta vez a Polônia, o regime nazista recebeu a declaração de guerra por parte do Reino Unido e da França, enquanto os demais países europeus insistiam em uma neutralidade desconfiada. O fato é que a Alemanha nazista havia se transformado em uma gigantesca máquina de guerra, com sua fama alimentada por um bem elaborado plano de propaganda que incluía produções audiovisuais de um certo grau de qualidade, algo até então inédito.
Neste contexto, as demais nações se sentiam acuadas, intimidadas perante a auto aclamada superioridade nazista, e assim sendo, preferiram assumir uma postura de neutralidade acreditando que estariam livres dos tentáculos da máquina de guerra germânica. Um erro crasso. E causa espanto que ainda hoje certas nações ao redor do mundo ainda optem por este tipo de ação perante um regime ditatorial que está de pé e a cada dia que passa dá amostras de não ter limites para seu apetite de dominação.
Voltando à Segunda Guerra Mundial, a essa altura oficialmente declarada, o início dos combates foi extremamente desolador para as nações aliadas. As tropas britânicas sofreram grandes derrotas, e só não foram completamente deflagradas graças ao episódio conhecido como “o milagre de Dunquerque”. Para quem tiver interesse em saber mais sobre este momento crucial da guerra recomendo o excelente filme “Dunquerque” de Christopher Nolan.
A situação da França foi ainda mais desoladora, com os alemães invadindo o território francês e impondo uma derrota avassaladora, além de termos de rendição humilhantes. Neles ficou definido que o país seria repartido e o regime nazista dominaria 2/3 dos territórios franceses enquanto o terço mais ao sul ficaria sob domínio de uma administração fantoche com sede na cidade de Vichy.
Esse arranjo só foi possível graças a complacência de alguns figurões da política francesa, liderados por uma das personagens que fazem parte da trinca de militares que estão sendo analisadas neste artigo, seu nome era Henri Philippe Benoni Omer Joseph Pétain, ou somente Marechal Pétain. Pétain foi um herói na Primeira Guerra Mundial, tendo sido decisivo nas batalhas finais ocorridas em solo francês e que fizeram a balança pender a favor da tríplice aliança. Por sua atuação ficou conhecido como o Leão de Verdun.
Hoje seu nome é sinônimo de infâmia, traição e colaboracionismo com o inimigo. O marechal foi designado chefe de estado da França com a missão de obter um acordo de paz com os invasores nazistas, o que fez com muito gosto. Pétain ficou tão satisfeito com o jugo nazista sobre seu povo que impôs ao estado fantoche francês leis antissemitas ainda mais terríveis do que as que a própria Alemanha havia criado.
Até a liberação da França pelas forças aliadas em 1944, estima-se que o regime do traidor Pétain tenha deportado cerca de 75 mil judeus para campos de concentração nazistas, de onde menos de 2 mil conseguiram sair com vida. Ao fim da guerra, o chefe de estado foi julgado e condenado à pena de morte por seus crimes, tendo sua pena substituída por prisão perpétua devido a sua idade avançada e sua condição de herói da primeira guerra. Entretanto, os demais condenados por colaborar com o inimigo não tiveram a mesma sorte que o marechal e pagaram com a vida pelos crimes cometidos.
Enquanto a França lidou a maior parte da guerra com a desonra e humilhação de ter os alemães dominando seu país por meio de suas tropas ou de seus fantoches, o Reino Unido adotou uma postura completamente oposta. Após o episódio de Dunquerque, o Reino Unido se viu na obrigação de reestruturar suas defesas contra os nazistas, que por sua vez pretendiam usar o território do norte francês, que devido à sua proximidade ao território britânico, seria a base avançada no objetivo de invadir a ilha.
Recém-nomeado primeiro-ministro britânico, um pouco antes da batalha de Dunquerque, Sir Winston Leonard Spencer-Churchill, outro de nossas três personagens, decidiu então direcionar todos os esforços nacionais para organizar as forças armadas e a população do Reino Unido a resistir aos ataques nazistas e em seguida conseguir derrotar o poderoso inimigo.
É curioso que Churchill tenha sido alçado ao cargo de primeiro-ministro do Reino Unido, uma vez que, poucos meses antes do início oficial da guerra, o ex-tenente coronel fora chamado de belicista, radical e extremista por políticos e a parte liberal (leia-se esquerdista) da imprensa britânica. Na verdade, hoje sabemos que Churchill foi um dos únicos a perceber e denunciar a ameaça que representava os projetos de domínio global da Alemanha Nazista na época. Mais uma vez, podemos fazer um paralelo com o momento que vivemos atualmente.
Hoje, toda voz que se levanta para denunciar os planos de dominação mundial do regime ditatorial comunista que vem da Ásia, é acusado de extremista, racista, fascista e todo tipo de “ista” possível. Quando não, é um paranóico, adepto de teorias da conspiração. Churchill hoje seria considerado um louco, belicista e paranóico? Certamente que sim. Como diz o guru dos comunistas, Marx: A história se repete, primeiro como tragédia e depois como farsa.
Mas como diz a sabedoria popular, Deus escreve certo por linhas tortas. O homem que fora tão insultado dentro do seu próprio país foi o responsável por tirá-lo da beira da dominação nazista. A custa de muito “sangue, sofrimento, lágrimas e suor”, liderou a reviravolta nos campos de batalhas que levariam as nações aliadas a destruir o III Reich e restaurar a liberdade na maior parte dos países europeus, salvo aqueles que a partir de então passariam a ser assediados pelo leviatã soviético. Mas isso é assunto para outro texto.
Churchill já era um homem aclamado em seu país, também era um herói de guerra e possuía uma ficha de brilhantes serviços prestados a sua nação. Com seus feitos históricos liderando os países livres na Segunda Guerra Mundial alcançou um status de herói nacional. Uma verdadeira lenda em todo o mundo. Em 2002, em votação promovida pela BBC, foi eleito o maior britânico de todos os tempos.
Diferente de seu colega Pétain, que foi da glória a infâmia, Churchill foi um homem que soube entender o zeitgeist da primeira metade do século XX e ainda hoje é uma referência para os amantes da liberdade e patriotas em todas as partes do mundo.
Por isso, para surpresa de zero pessoas, começamos a ver movimentos como o realizado pelo presidente globalista francês Emmanuel Macron, que fez um esforço para reabilitar o nome de Pétain em 2018, ano em que se comemorou os 100 anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Por este fato, o atual presidente francês sofreu duras críticas dentro do próprio país.
E mais recentemente, vimos neste ano de 2020, grupos antifas querendo derrubar uma estátua de Churchill em Londres. Sim, ele mesmo. O homem que livrou a Europa do nazismo e do fascimo se tornou alvo dos terroristas que vestem camisas pretas e levantam os punhos.
Então, com toda esta história recente, recheada de exemplos de figuras militares e estadistas que optaram por caminhos diametralmente opostos nos momentos em que suas pátrias mais necessitaram, nos causa estranheza ao ver um general do Exército Brasileiro e atual vice-presidente da república como o senhor Antônio Hamilton Martins Mourão, vir a público por diversas vezes defender interesses de empresas de telecomunicações que, além de estrangeiras, também se encontram em posição de subordinação ao partido que comanda o seu país de origem.
Mourão também é possuidor de uma extensa ficha de serviços prestados a pátria e detentor de grande prestígio junto a população desde que passou a ter uma voz alinhada aos anseios da população em oposição aos governos petistas que assolaram o Brasil de 2002 até 2016. Com suas falas críticas em relação as sandices petistas, o nome do general ganhou apelo político a ponto de ter se tornado o vice-presidente na chapa patriota comandada por Bolsonaro.
Não restam dúvidas que Mourão teve um passado glorioso como militar, assim como os mencionados Pétain e Churchill. A grande questão é: Mourão, como liderança política, vai optar por ser um traidor ou herói? Como general de 4 estrelas das forças terrestres, podemos cogitar que o vice-presidente tenha estudado a biografia dos grandes líderes militares das maiores potências mundiais.
E se Mourão conhece a história dos mandatários francês e britânico devemos nos preocupar quando o próprio exalta a gigante da tecnologia oriental? Ainda mais quando esta mesma empresa é acusada de roubo de informações e espionagem pelas principais agências de inteligência do mundo? E por qual motivo Mourão está tão envolvido neste assunto sendo que não é a ele que cabe as decisões nesta área de telecomunicações?
O fato é que, aos brasileiros comuns sem altos cargos públicos e acesso a informações sensíveis à nação, nos causa muito espanto ver um Mourão completamente a vontade em defender as vantagens da empresa do país do dragão e considerar a participação desta fundamental nos leilões da quinta geração de comunicações, em detrimento das outras concorrentes, sobre as quais o vice-presidente não dá sequer uma palavra de incentivo.
Estaria o general da reserva atuando como lobista desta empresa? Ou seria ele um profundo conhecedor das estratégias de contrainformação contidas na obra “A Arte da Guerra”, do chinês Sun Tzu, e estaria então fazendo o famoso jogo de cena? Por via das dúvidas deixaria aqui uma sugestão ao Sr. Hamilton Mourão: Releia as biografias de Pétain e Churchill, e não escolha o exemplo errado a seguir.
submitted by GuilhermeSPD to brasilivre [link] [comments]


2020.08.12 02:03 GuilhermeSPD Mourão: Entre Churchill e Pétain.

Mourão: Entre Churchill e Pétain.

Da esquerda para direita: Philippe Pétain, Hamilton Mourão e Winston Churchill.
A história militar, não só brasileira mas também mundial está repleta de exemplos de traidores nacionais saídos das fileiras de suas forças armadas. No Brasil, temos os casos de Luiz Carlos Prestes e Carlos Lamarca, dois oficiais do Exército Brasileiro que preferiram aderir aos interesses revolucionários de nações comunistas internacionais (sendo a maior expoente, na época, a União Soviética), abandonando as fileiras das forças de defesa dos países que juraram proteger com a própria vida se preciso fosse.
Hoje sabemos que existe no mundo um consórcio maligno formado por forças globalistas e meta-capitalistas, unidas a um partido comunista que domina há 70 anos com mão de ferro e total controle social a maior nação asiática. Está cada vez mais claro que este consórcio tem como um de seus principais objetivos a supressão de todos nossos direitos mais essenciais, especialmente a liberdade de pensamento e expressão, o direito de ir e vir, e os direitos religiosos.
Ao analisar este cenário geopolítico atual é impossível não fazer um paralelo com o mundo do final da década de 30 do século passado, que se encontrava sob uma ameaça tão terrível quanto a que estamos vivendo hoje. Naqueles tempos, o mundo assistia assombrado um partido totalitário de cunho nacional-socialista dominar a nação mais bem-sucedida da Europa e espalhar a opressão e o terror entre a sua própria população, enquanto começava a estender suas garras sobre os países vizinhos.
Após Hitler invadir e anexar aos seus domínios a Áustria e os Sudetos (região da extinta Tchecoeslováquia), os povos dos demais países europeus atingiram um nível de preocupação e tensão elevadíssimo, mas ainda assim, nenhuma nação ousou reagir aos crimes cometidos pelo regime nazista. Este fato nos remete à displicência das nações mundiais diante dos absurdos cometidos pelo regime ditatorial da nação oriental que atualmente avança sobre o mundo. Pois é, qualquer semelhança não é mera coincidência.
Naquele momento, a reação do mundo livre tardou, mas finalmente aconteceu. Após a invasão de mais um país, desta vez a Polônia, o regime nazista recebeu a declaração de guerra por parte do Reino Unido e da França, enquanto os demais países europeus insistiam em uma neutralidade desconfiada. O fato é que a Alemanha nazista havia se transformado em uma gigantesca máquina de guerra, com sua fama alimentada por um bem elaborado plano de propaganda que incluía produções audiovisuais de um certo grau de qualidade, algo até então inédito.
Neste contexto, as demais nações se sentiam acuadas, intimidadas perante a auto aclamada superioridade nazista, e assim sendo, preferiram assumir uma postura de neutralidade acreditando que estariam livres dos tentáculos da máquina de guerra germânica. Um erro crasso. E causa espanto que ainda hoje certas nações ao redor do mundo ainda optem por este tipo de ação perante um regime ditatorial que está de pé e a cada dia que passa dá amostras de não ter limites para seu apetite de dominação.
Voltando à Segunda Guerra Mundial, a essa altura oficialmente declarada, o início dos combates foi extremamente desolador para as nações aliadas. As tropas britânicas sofreram grandes derrotas, e só não foram completamente deflagradas graças ao episódio conhecido como “o milagre de Dunquerque”. Para quem tiver interesse em saber mais sobre este momento crucial da guerra recomendo o excelente filme “Dunquerque” de Christopher Nolan.
A situação da França foi ainda mais desoladora, com os alemães invadindo o território francês e impondo uma derrota avassaladora, além de termos de rendição humilhantes. Neles ficou definido que o país seria repartido e o regime nazista dominaria 2/3 dos territórios franceses enquanto o terço mais ao sul ficaria sob domínio de uma administração fantoche com sede na cidade de Vichy.
Esse arranjo só foi possível graças a complacência de alguns figurões da política francesa, liderados por uma das personagens que fazem parte da trinca de militares que estão sendo analisadas neste artigo, seu nome era Henri Philippe Benoni Omer Joseph Pétain, ou somente Marechal Pétain. Pétain foi um herói na Primeira Guerra Mundial, tendo sido decisivo nas batalhas finais ocorridas em solo francês e que fizeram a balança pender a favor da tríplice aliança. Por sua atuação ficou conhecido como o Leão de Verdun.
Hoje seu nome é sinônimo de infâmia, traição e colaboracionismo com o inimigo. O marechal foi designado chefe de estado da França com a missão de obter um acordo de paz com os invasores nazistas, o que fez com muito gosto. Pétain ficou tão satisfeito com o jugo nazista sobre seu povo que impôs ao estado fantoche francês leis antissemitas ainda mais terríveis do que as que a própria Alemanha havia criado.
Até a liberação da França pelas forças aliadas em 1944, estima-se que o regime do traidor Pétain tenha deportado cerca de 75 mil judeus para campos de concentração nazistas, de onde menos de 2 mil conseguiram sair com vida. Ao fim da guerra, o chefe de estado foi julgado e condenado à pena de morte por seus crimes, tendo sua pena substituída por prisão perpétua devido a sua idade avançada e sua condição de herói da primeira guerra. Entretanto, os demais condenados por colaborar com o inimigo não tiveram a mesma sorte que o marechal e pagaram com a vida pelos crimes cometidos.
Enquanto a França lidou a maior parte da guerra com a desonra e humilhação de ter os alemães dominando seu país por meio de suas tropas ou de seus fantoches, o Reino Unido adotou uma postura completamente oposta. Após o episódio de Dunquerque, o Reino Unido se viu na obrigação de reestruturar suas defesas contra os nazistas, que por sua vez pretendiam usar o território do norte francês, que devido à sua proximidade ao território britânico, seria a base avançada no objetivo de invadir a ilha.
Recém-nomeado primeiro-ministro britânico, um pouco antes da batalha de Dunquerque, Sir Winston Leonard Spencer-Churchill, outro de nossas três personagens, decidiu então direcionar todos os esforços nacionais para organizar as forças armadas e a população do Reino Unido a resistir aos ataques nazistas e em seguida conseguir derrotar o poderoso inimigo.
É curioso que Churchill tenha sido alçado ao cargo de primeiro-ministro do Reino Unido, uma vez que, poucos meses antes do início oficial da guerra, o ex-tenente coronel fora chamado de belicista, radical e extremista por políticos e a parte liberal (leia-se esquerdista) da imprensa britânica. Na verdade, hoje sabemos que Churchill foi um dos únicos a perceber e denunciar a ameaça que representava os projetos de domínio global da Alemanha Nazista na época. Mais uma vez, podemos fazer um paralelo com o momento que vivemos atualmente.
Hoje, toda voz que se levanta para denunciar os planos de dominação mundial do regime ditatorial comunista que vem da Ásia, é acusado de extremista, racista, fascista e todo tipo de “ista” possível. Quando não, é um paranóico, adepto de teorias da conspiração. Churchill hoje seria considerado um louco, belicista e paranóico? Certamente que sim. Como diz o guru dos comunistas, Marx: A história se repete, primeiro como tragédia e depois como farsa.
Mas como diz a sabedoria popular, Deus escreve certo por linhas tortas. O homem que fora tão insultado dentro do seu próprio país foi o responsável por tirá-lo da beira da dominação nazista. A custa de muito “sangue, sofrimento, lágrimas e suor”, liderou a reviravolta nos campos de batalhas que levariam as nações aliadas a destruir o III Reich e restaurar a liberdade na maior parte dos países europeus, salvo aqueles que a partir de então passariam a ser assediados pelo leviatã soviético. Mas isso é assunto para outro texto.
Churchill já era um homem aclamado em seu país, também era um herói de guerra e possuía uma ficha de brilhantes serviços prestados a sua nação. Com seus feitos históricos liderando os países livres na Segunda Guerra Mundial alcançou um status de herói nacional. Uma verdadeira lenda em todo o mundo. Em 2002, em votação promovida pela BBC, foi eleito o maior britânico de todos os tempos.
Diferente de seu colega Pétain, que foi da glória a infâmia, Churchill foi um homem que soube entender o zeitgeist da primeira metade do século XX e ainda hoje é uma referência para os amantes da liberdade e patriotas em todas as partes do mundo.
Por isso, para surpresa de zero pessoas, começamos a ver movimentos como o realizado pelo presidente globalista francês Emmanuel Macron, que fez um esforço para reabilitar o nome de Pétain em 2018, ano em que se comemorou os 100 anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Por este fato, o atual presidente francês sofreu duras críticas dentro do próprio país.
E mais recentemente, vimos neste ano de 2020, grupos antifas querendo derrubar uma estátua de Churchill em Londres. Sim, ele mesmo. O homem que livrou a Europa do nazismo e do fascimo se tornou alvo dos terroristas que vestem camisas pretas e levantam os punhos.
Então, com toda esta história recente, recheada de exemplos de figuras militares e estadistas que optaram por caminhos diametralmente opostos nos momentos em que suas pátrias mais necessitaram, nos causa estranheza ao ver um general do Exército Brasileiro e atual vice-presidente da república como o senhor Antônio Hamilton Martins Mourão, vir a público por diversas vezes defender interesses de empresas de telecomunicações que, além de estrangeiras, também se encontram em posição de subordinação ao partido que comanda o seu país de origem.
Mourão também é possuidor de uma extensa ficha de serviços prestados a pátria e detentor de grande prestígio junto a população desde que passou a ter uma voz alinhada aos anseios da população em oposição aos governos petistas que assolaram o Brasil de 2002 até 2016. Com suas falas críticas em relação as sandices petistas, o nome do general ganhou apelo político a ponto de ter se tornado o vice-presidente na chapa patriota comandada por Bolsonaro.
Não restam dúvidas que Mourão teve um passado glorioso como militar, assim como os mencionados Pétain e Churchill. A grande questão é: Mourão, como liderança política, vai optar por ser um traidor ou herói? Como general de 4 estrelas das forças terrestres, podemos cogitar que o vice-presidente tenha estudado a biografia dos grandes líderes militares das maiores potências mundiais.
E se Mourão conhece a história dos mandatários francês e britânico devemos nos preocupar quando o próprio exalta a gigante da tecnologia oriental? Ainda mais quando esta mesma empresa é acusada de roubo de informações e espionagem pelas principais agências de inteligência do mundo? E por qual motivo Mourão está tão envolvido neste assunto sendo que não é a ele que cabe as decisões nesta área de telecomunicações?
O fato é que, aos brasileiros comuns sem altos cargos públicos e acesso a informações sensíveis à nação, nos causa muito espanto ver um Mourão completamente a vontade em defender as vantagens da empresa do país do dragão e considerar a participação desta fundamental nos leilões da quinta geração de comunicações, em detrimento das outras concorrentes, sobre as quais o vice-presidente não dá sequer uma palavra de incentivo.
Estaria o general da reserva atuando como lobista desta empresa? Ou seria ele um profundo conhecedor das estratégias de contrainformação contidas na obra “A Arte da Guerra”, do chinês Sun Tzu, e estaria então fazendo o famoso jogo de cena? Por via das dúvidas deixaria aqui uma sugestão ao Sr. Hamilton Mourão: Releia as biografias de Pétain e Churchill, e não escolha o exemplo errado a seguir.
submitted by GuilhermeSPD to Direita [link] [comments]


2020.08.12 01:56 GuilhermeSPD Mourão: Entre Churchill e Pétain.


Da esquerda para direita: Philippe Pétain, Hamilton Mourão e Winston Churchill.
A história militar, não só brasileira mas também mundial está repleta de exemplos de traidores nacionais saídos das fileiras de suas forças armadas. No Brasil, temos os casos de Luiz Carlos Prestes e Carlos Lamarca, dois oficiais do Exército Brasileiro que preferiram aderir aos interesses revolucionários de nações comunistas internacionais (sendo a maior expoente, na época, a União Soviética), abandonando as fileiras das forças de defesa dos países que juraram proteger com a própria vida se preciso fosse.
Hoje sabemos que existe no mundo um consórcio maligno formado por forças globalistas e meta-capitalistas, unidas a um partido comunista que domina há 70 anos com mão de ferro e total controle social a maior nação asiática. Está cada vez mais claro que este consórcio tem como um de seus principais objetivos a supressão de todos nossos direitos mais essenciais, especialmente a liberdade de pensamento e expressão, o direito de ir e vir, e os direitos religiosos.
Ao analisar este cenário geopolítico atual é impossível não fazer um paralelo com o mundo do final da década de 30 do século passado, que se encontrava sob uma ameaça tão terrível quanto a que estamos vivendo hoje. Naqueles tempos, o mundo assistia assombrado um partido totalitário de cunho nacional-socialista dominar a nação mais bem-sucedida da Europa e espalhar a opressão e o terror entre a sua própria população, enquanto começava a estender suas garras sobre os países vizinhos.
Após Hitler invadir e anexar aos seus domínios a Áustria e os Sudetos (região da extinta Tchecoeslováquia), os povos dos demais países europeus atingiram um nível de preocupação e tensão elevadíssimo, mas ainda assim, nenhuma nação ousou reagir aos crimes cometidos pelo regime nazista. Este fato nos remete à displicência das nações mundiais diante dos absurdos cometidos pelo regime ditatorial da nação oriental que atualmente avança sobre o mundo. Pois é, qualquer semelhança não é mera coincidência.
Naquele momento, a reação do mundo livre tardou, mas finalmente aconteceu. Após a invasão de mais um país, desta vez a Polônia, o regime nazista recebeu a declaração de guerra por parte do Reino Unido e da França, enquanto os demais países europeus insistiam em uma neutralidade desconfiada. O fato é que a Alemanha nazista havia se transformado em uma gigantesca máquina de guerra, com sua fama alimentada por um bem elaborado plano de propaganda que incluía produções audiovisuais de um certo grau de qualidade, algo até então inédito.
Neste contexto, as demais nações se sentiam acuadas, intimidadas perante a auto aclamada superioridade nazista, e assim sendo, preferiram assumir uma postura de neutralidade acreditando que estariam livres dos tentáculos da máquina de guerra germânica. Um erro crasso. E causa espanto que ainda hoje certas nações ao redor do mundo ainda optem por este tipo de ação perante um regime ditatorial que está de pé e a cada dia que passa dá amostras de não ter limites para seu apetite de dominação.
Voltando à Segunda Guerra Mundial, a essa altura oficialmente declarada, o início dos combates foi extremamente desolador para as nações aliadas. As tropas britânicas sofreram grandes derrotas, e só não foram completamente deflagradas graças ao episódio conhecido como “o milagre de Dunquerque”. Para quem tiver interesse em saber mais sobre este momento crucial da guerra recomendo o excelente filme “Dunquerque” de Christopher Nolan.
A situação da França foi ainda mais desoladora, com os alemães invadindo o território francês e impondo uma derrota avassaladora, além de termos de rendição humilhantes. Neles ficou definido que o país seria repartido e o regime nazista dominaria 2/3 dos territórios franceses enquanto o terço mais ao sul ficaria sob domínio de uma administração fantoche com sede na cidade de Vichy.
Esse arranjo só foi possível graças a complacência de alguns figurões da política francesa, liderados por uma das personagens que fazem parte da trinca de militares que estão sendo analisadas neste artigo, seu nome era Henri Philippe Benoni Omer Joseph Pétain, ou somente Marechal Pétain. Pétain foi um herói na Primeira Guerra Mundial, tendo sido decisivo nas batalhas finais ocorridas em solo francês e que fizeram a balança pender a favor da tríplice aliança. Por sua atuação ficou conhecido como o Leão de Verdun.
Hoje seu nome é sinônimo de infâmia, traição e colaboracionismo com o inimigo. O marechal foi designado chefe de estado da França com a missão de obter um acordo de paz com os invasores nazistas, o que fez com muito gosto. Pétain ficou tão satisfeito com o jugo nazista sobre seu povo que impôs ao estado fantoche francês leis antissemitas ainda mais terríveis do que as que a própria Alemanha havia criado.
Até a liberação da França pelas forças aliadas em 1944, estima-se que o regime do traidor Pétain tenha deportado cerca de 75 mil judeus para campos de concentração nazistas, de onde menos de 2 mil conseguiram sair com vida. Ao fim da guerra, o chefe de estado foi julgado e condenado à pena de morte por seus crimes, tendo sua pena substituída por prisão perpétua devido a sua idade avançada e sua condição de herói da primeira guerra. Entretanto, os demais condenados por colaborar com o inimigo não tiveram a mesma sorte que o marechal e pagaram com a vida pelos crimes cometidos.
Enquanto a França lidou a maior parte da guerra com a desonra e humilhação de ter os alemães dominando seu país por meio de suas tropas ou de seus fantoches, o Reino Unido adotou uma postura completamente oposta. Após o episódio de Dunquerque, o Reino Unido se viu na obrigação de reestruturar suas defesas contra os nazistas, que por sua vez pretendiam usar o território do norte francês, que devido à sua proximidade ao território britânico, seria a base avançada no objetivo de invadir a ilha.
Recém-nomeado primeiro-ministro britânico, um pouco antes da batalha de Dunquerque, Sir Winston Leonard Spencer-Churchill, outro de nossas três personagens, decidiu então direcionar todos os esforços nacionais para organizar as forças armadas e a população do Reino Unido a resistir aos ataques nazistas e em seguida conseguir derrotar o poderoso inimigo.
É curioso que Churchill tenha sido alçado ao cargo de primeiro-ministro do Reino Unido, uma vez que, poucos meses antes do início oficial da guerra, o ex-tenente coronel fora chamado de belicista, radical e extremista por políticos e a parte liberal (leia-se esquerdista) da imprensa britânica. Na verdade, hoje sabemos que Churchill foi um dos únicos a perceber e denunciar a ameaça que representava os projetos de domínio global da Alemanha Nazista na época. Mais uma vez, podemos fazer um paralelo com o momento que vivemos atualmente.
Hoje, toda voz que se levanta para denunciar os planos de dominação mundial do regime ditatorial comunista que vem da Ásia, é acusado de extremista, racista, fascista e todo tipo de “ista” possível. Quando não, é um paranóico, adepto de teorias da conspiração. Churchill hoje seria considerado um louco, belicista e paranóico? Certamente que sim. Como diz o guru dos comunistas, Marx: A história se repete, primeiro como tragédia e depois como farsa.
Mas como diz a sabedoria popular, Deus escreve certo por linhas tortas. O homem que fora tão insultado dentro do seu próprio país foi o responsável por tirá-lo da beira da dominação nazista. A custa de muito “sangue, sofrimento, lágrimas e suor”, liderou a reviravolta nos campos de batalhas que levariam as nações aliadas a destruir o III Reich e restaurar a liberdade na maior parte dos países europeus, salvo aqueles que a partir de então passariam a ser assediados pelo leviatã soviético. Mas isso é assunto para outro texto.
Churchill já era um homem aclamado em seu país, também era um herói de guerra e possuía uma ficha de brilhantes serviços prestados a sua nação. Com seus feitos históricos liderando os países livres na Segunda Guerra Mundial alcançou um status de herói nacional. Uma verdadeira lenda em todo o mundo. Em 2002, em votação promovida pela BBC, foi eleito o maior britânico de todos os tempos.
Diferente de seu colega Pétain, que foi da glória a infâmia, Churchill foi um homem que soube entender o zeitgeist da primeira metade do século XX e ainda hoje é uma referência para os amantes da liberdade e patriotas em todas as partes do mundo.
Por isso, para surpresa de zero pessoas, começamos a ver movimentos como o realizado pelo presidente globalista francês Emmanuel Macron, que fez um esforço para reabilitar o nome de Pétain em 2018, ano em que se comemorou os 100 anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Por este fato, o atual presidente francês sofreu duras críticas dentro do próprio país.
E mais recentemente, vimos neste ano de 2020, grupos antifas querendo derrubar uma estátua de Churchill em Londres. Sim, ele mesmo. O homem que livrou a Europa do nazismo e do fascimo se tornou alvo dos terroristas que vestem camisas pretas e levantam os punhos.
Então, com toda esta história recente, recheada de exemplos de figuras militares e estadistas que optaram por caminhos diametralmente opostos nos momentos em que suas pátrias mais necessitaram, nos causa estranheza ao ver um general do Exército Brasileiro e atual vice-presidente da república como o senhor Antônio Hamilton Martins Mourão, vir a público por diversas vezes defender interesses de empresas de telecomunicações que, além de estrangeiras, também se encontram em posição de subordinação ao partido que comanda o seu país de origem.
Mourão também é possuidor de uma extensa ficha de serviços prestados a pátria e detentor de grande prestígio junto a população desde que passou a ter uma voz alinhada aos anseios da população em oposição aos governos petistas que assolaram o Brasil de 2002 até 2016. Com suas falas críticas em relação as sandices petistas, o nome do general ganhou apelo político a ponto de ter se tornado o vice-presidente na chapa patriota comandada por Bolsonaro.
Não restam dúvidas que Mourão teve um passado glorioso como militar, assim como os mencionados Pétain e Churchill. A grande questão é: Mourão, como liderança política, vai optar por ser um traidor ou herói? Como general de 4 estrelas das forças terrestres, podemos cogitar que o vice-presidente tenha estudado a biografia dos grandes líderes militares das maiores potências mundiais.
E se Mourão conhece a história dos mandatários francês e britânico devemos nos preocupar quando o próprio exalta a gigante da tecnologia oriental? Ainda mais quando esta mesma empresa é acusada de roubo de informações e espionagem pelas principais agências de inteligência do mundo? E por qual motivo Mourão está tão envolvido neste assunto sendo que não é a ele que cabe as decisões nesta área de telecomunicações?
O fato é que, aos brasileiros comuns sem altos cargos públicos e acesso a informações sensíveis à nação, nos causa muito espanto ver um Mourão completamente a vontade em defender as vantagens da empresa do país do dragão e considerar a participação desta fundamental nos leilões da quinta geração de comunicações, em detrimento das outras concorrentes, sobre as quais o vice-presidente não dá sequer uma palavra de incentivo.
Estaria o general da reserva atuando como lobista desta empresa? Ou seria ele um profundo conhecedor das estratégias de contrainformação contidas na obra “A Arte da Guerra”, do chinês Sun Tzu, e estaria então fazendo o famoso jogo de cena? Por via das dúvidas deixaria aqui uma sugestão ao Sr. Hamilton Mourão: Releia as biografias de Pétain e Churchill, e não escolha o exemplo errado a seguir.
submitted by GuilhermeSPD to Bolsonaro [link] [comments]


2020.05.23 17:40 Vitor_Lenon Sou babaca por me apaixonar pela namorada do meu melhor amigo e fazer eles terminarem ?

Ola Luba, editores, bonecos de papelão e seus restos mortais, possivel convidado (ninguém quer visitar o Luba além do Jean ) e turma que está a ver.
Minha historia meses depos de terminar um namoro com minha primeira namorada que durou 3 anos, depos 5 ou 6 meses eu continuava mal e perdido, não sabia oque fazer, até que meu melhor amigo (irei chama-lo de Cristofe) não gostando de me ver nessa situação diz que vai me apresentar a irmã da namorada dele, ela tinha acabado de sair de um relacionamento abusivo e achava que nós dois poderiamos dá certo, e que assim ele não precisaria ir na casa de sua namorada sozinho ja que lá era um lugar bastante perigoso e diz minha " namorada se chama Ja... e a irmã se chama Je..." (infelizmente tenho déficit de atenção e ambos os nomes na minha cabeça eram bastante parecidos), e também me disse que ambas faziam um curso na mesma sala que eu, depôs dele insistir bastante eu aceito.
Nota: Cristofe é meu amigo há 6 anos e namorava ela a alguns meses, eles moravam em cidades diferentes então pouco se viam, mesmo dizendo que a amava vivia fazendo piadas de mal gosto sofre algumas "frescuras de sua namorada" e fala coisas tipo de que era doido para ficar com a ex de um amigo nosso e dizendo que ele mesmo tendo amado ela, não deveria se importar por ser ex, e uma hora ou outra ela ia arranjar alguém, que pelo menos fosse um amigo.
No outro dia chegando no curso, sou recebido por uma garota que se apresenta como Je, ela era uma menina que falava muito, gostava de festas e sair para... e diz que ja tinha ouvido falar de mim pelo Cristofé e que ja estava esperando, em seguida ela me apresenta sua irmã, a Ja, Ja era quase oposto de Je, era tímida, não era de muitas palavras e prestava atenção em todas as aulas, como não lembrava quem era quem, deduzi que Je seria a namorada do meu amigo e Ja seria a garota que eu deveria conhecer, para completar, Je me disse que Ja tinha saído de um relacionamento complicado e o ex dela foi babaca.
Então após fazer amizade com Je, fui sentar ao lado de Ja, me apresentei e disse que queria ser seu amigo, ela então me olha com um olhar triste, pega os fones e me ignora, eu preocupado ao ver ela triste resolvo soltar piadas no ar, falando coisas engraças a pessoas perto dela para que ela ouvisse, mas simplesmente sou ignorado, até que ela retira os fones, me olha e diz "você não vai copiar?" Nesse momento havia desisto e resolvi ser sincero e disse "desculpa, comecei a fazer graças e contar piadas pq você parecia triste e eu queria te animar, queria me aproximar de você, quem sabe seu amigo mas entendo que quer ficar sozinha, irei lhe deixar em paz e estudar em outro canto da sala" então quando ia me levantar, ela segura meu braço e diz "Fica" me conta os motivos de sua tristeza e disse que não era feliz (também revela que os fones nem prestavam e que minhas piadas eram péssimas mas isso não vem ao caso).
Dias e meses se passaram e eu e Ja estavamos cada vez mais próximos, finalmente me sentir com alguém e finalmente ela mostrou quem era de verdade, uma garota alegre, engraçada e muito divertida, fazíamos tudo juntos e as vezes Je vinha junto mas tinha bastante ciúmes de nossa amizade, então meu amigo Cristofe pergunta como estão as coisas, então lhe digo que estou apaixonado e muito feliz, e que pretendia me declarar a ela, e para nós comemorarmos isso resolvemos marca uma pizza, me resolvo me arrumar, vestir minha melhor roupa, chegando lá os 3 estão me esperando sentandos em uma mesa, então, Cristofe se levanta e me apresenta JA como sua namorada e me revela que JE é a irmã, ele sem saber da confusão que eu fiz de nomes, diz que eu tenho algo a dizer para JE, então acabo me declarando a ela, com palavras que só a Ja entendia, o fiz e Je, talvez confusa ou por carência, simplesmente aceito, e passei aquela terrível noite com a irmã da menina que eu amava, e vendo a mesma beijando meu melhor amigo.
Algumas semanas se passam e sou apresentado como namorado de Je em sua casa, e começo a frequentar a mesma ao lado de Cristofe, mesmo ficando com Je, Ja e eu sempre nos isolavamos de Cristofe e Je para conversar e rir de nossas piadas bestas, Je talvez percebendo tudo oque está acontecendo manda eu me afastar de Ja apartir de agora, dizendo que ela não ia precisar de minha amizade e se aproximaria mais de Cristofe, e eu apenas estava atrapalhando, Ja ouve isso e me pede para não a deixar, sem saber oque fazer e confuso, eu me levanto e vou embora, Ja me acompanha, neste momento Je diz que se eu não fizer oque ela manda, vai está tudo acabado entre a gente, e que ela pagaria um de meus amigos para me deixar mal, eu digo que poderia fazer o mesmo e ela diz "Ja é minha única amiga, ela NUNCA trocaria o Cristofe por você" após ouvir isso, sem hesitar vou embora, me sentindo no fundo, caindo na realidade que meu amor por nada mais era que uma besteira, resolvo fazer algo que nunca havia feito antes, beber, com meio copo, Já estava tonto, resolvo me deitar.
Após me deitar tive a brilhante idéia de "Já que nunca vou ficar com a Ja e guardar isso só para mim está me matando, serei honesto com ela e me afastarei" mando a seguinte mensagem "Ja...não sei como lhe explicar, porém oque sinto por você não para controlar, eu te amo Ja... e sei que isso é um amor proibido ja que você namora meu melhor amigo, me perdoe, mas não quero ser uma pedra no caminho de sua felicidade, obrigado por tudo, adeus", Ja não costumava responder rápido, mas nesta noite por algum motivo ela viu, e disse "eu te amo, eu nunca senti nada pelo Cristofe, apenas aceitei namorar ele pq ele me pediu na frente de toda a minha família, e como nossas familias são muito amigas e por medo de decepcionar meus pais, eu resolvi aceitar, mas não sou feliz" eu sem entender direito tudo oque tava acontecendo, fico surpreso, mas digo que não poderiamos ficar, pois eu odeio traição, e namorar seria difícil, pq o pai dela me odeia e ja havia me ameaçado por deixar a Je além de amar o Cristofe, ele me vendo com a Ja só faria o ódio dele aumentar, então mostrando como séria impossível ficarmos juntos, digo para ela buscar a felicidade e oque a fizesse feliz, paramos de nos falar por um tempo e Cristofe vêm falar comigo muito triste, dizendo que Ja havia terminado o namoro, e que não era feliz, na hora me senti culpado, mas feliz por minha amiga.
Cristofe então me pede conselhos, qualquer coisa para ajudar a reconquistar Ja, então com uma enorme dor no peito eu digo "me desculpa, eu amo a Ja, não poderia ter ajudar" Cristofe então triste e surpreso me pergunta se eu ja havia ficado com Ja, e eu digo que não, depôs ele me pergunta se a felicidade dela fosse eu, se eu aceitaria ficar com ela, então eu lembro do que ele dizia a nosso amigo e digo "sim, você nem deveria se importa, ela é sua ex, e se ela for ficar com alguém melhor um amigo, certo ?" Cristofe então apenas ri e diz "ok, vamos da um tempo em nossa amizade, ambos a amamos então aquele que ela escolher para faze-la feliz e ficar com ela, o outro deve se afastar e não sair mais como o casal" mesmo por dentro que por fora eu dizia que ja havia desistido, por fora ainda havia esperança.
Alguns meses sem falar com Ja, sua irmã Je me chama até sua casa, para me apresentar seu namorado, um outro amigo meu que ela havia dito que namoraria e disse que eles eram um casal muito feliz, eu lhes dou parabéns e eles se convidam a ir a minha casa, e Ja é obrigada a ir por seus pais para reparar Je, então deixamos o casal ir na frente e Ja me trata friamente, ignorando e me deixando falar sozinho, chegando em casa, o "casal feliz" tem uma briga feia e pedem privacidade do quarto para eu e Ja, vamos para frente de casa e ela fala que ódio o fato que eu me afastei dela, começamos a nós falar denovo, até que falamos de pessoas que gostamos no passado e que nunca fizemos nada, então eu digo para ela tentar com alguém que a fizesse bem, ela coloca uma música, fecha meus olhos e me beija, depôs disso, eu e Ja começamos a ficar escondido. Se quiser saber oque acontece quando e Je descobre com o final em prints ai já é outra historia.
Eu sou babaca ?
submitted by Vitor_Lenon to TurmaFeira [link] [comments]


2020.05.23 05:04 altovaliriano Os Fantoches de Gelo e Fogo (Parte 2)

Texto em inglês: https://asoiaf.westeros.org/index.php?/topic/134726-the-puppets-of-ice-and-fire/
Autor: KingMonkey
-----------------------------------------
Dunk teve a sensação mais estranha, como se já tivesse vivido tudo aquilo antes.
(O Cavaleiro Misterioso)
Há mais ecos. Quantos? Eu não sei. Às vezes os ecos parecem bastante claros, em outros momentos são bem mais fracos. Alguns deles podem ser relevantes, outros podem ser simplesmente ressonâncias do grande evento filtrando o momento e deixando sua marca em eventos menores. Alguns desses ecos podem ser produto do reconhecimento de padrões em minha mente, agora que estou tão preparado para procurá-los. Não estou certo sobre todos eles. Entretanto, eu ficaria muito surpreso se nenhum deles fosse intencional. Quase certamente há ecos que ainda não notei. Antes que comece a cavar a procura, vou explorar mais alguns que eu já vi.

O Cavaleiro Andante

Em O Cavaleiro Andante, temos outro baio puro-sangue, montado por Aerion. Ali estão outros três guardas-reais, com suas capas brancas e mais imagens fantasmagóricas: "Na extremidade norte do campo, uma coluna de cavaleiros veio trotando da névoa do rio. Os três membros da Guarda Real vinham primeiro, como fantasmas em suas cintilantes armaduras de esmalte branco, com longos mantos brancos esvoaçando pelas costas.. "
Dunk vê uma estrela cadente e a torna parte de seu brasão, uma reminiscência do brasão da estrela cadente de Arthur Dayne, e nos é dada uma descrição interessante de seu escudo: "A estrela cadente era uma pincelada de tinta brilhante através do céu de carvalho", semelhante a " Uma tempestade de pétalas de rosa soprou através de um céu riscado de sangue”.
Os três (embora não estejam sozinhos) lutam contra sete, e a causa da luta é um cavaleiro que não renuncia a seus votos, custe o que custar. O número três surge novamente no número de mortos no julgamento de 7 contra 7. É um pouco forçado, eu admito, mas talvez possamos entender o fato de que todos os homens que lutam ao lado da Guarda Real são membros da mesma família, portanto, pelo menos em termos de casas com um único representante, pode ser visto como sete. contra três.
No final, o escudeiro Egg de Dunk é revelado como um dragão secreto, e Duncan fala sobre ir para as montanhas vermelhas de Dorne.

A Espada Juramentada

Eu só passei o olho em A Espada Juramentada, mas também vi alguns elementos conhecidos lá. Há uma torre, parcialmente arruinada há muito tempo. Há uma senhora que é extraordinariamente marcial. Há um confronto em que três enfrentam trinta e três, mas há sete cavaleiros entre os trinta e três. Um truque padrão do GRRM, ele não nos mostra esse número diretamente - “Mais cavaleiros vieram na seuqência, meia dúzia deles”, mas já tínhamos um cavaleiro [Sor Lucas]. Dunk sonha em cavar túmulos perto das montanhas vermelhas de Dorne, e embora o número de túmulos seja onze, o número realmente mencionado é oito: “Tem mais covas para cavar, pateta. Oito para eles, uma para mim, uma para o velho Sor Inútil e a última para seu garoto careca”. Há outra cavalo baio puro-sangue, que Lady Rohanne tenta oferecer a Duncan.

O Cavaleiro Misterioso

Como em O Cavaleiro Andante, essa história gira em torno de um sonho. No primeiro, o sonhador é Daeron, no segundo é Daemon II. Ambos são sonhos de dragão. O primeiro vê a morte de um dragão, oo último vê o nascimento de um. Daemon, apelidado de John, o Violinista. Também sonhou com Duncan, em uma capa branca. Um sonho que se realizou, haja vista que Duncan acabaria se tornando o lorde comandante da Guarda Real. "Sonhei com isso. Com esse castelo pálido, você, um dragão irrompendo de um ovo" Pode ser que o sonho fosse, na verdade, sobre Solarestival, mas Daemon acreditava que era sobre Alvasparedes, que ele descreve como parecendo ser "feito de neve" (Um gigante em um castelo de neve?) Ou branco como a casca de um ovo, talvez. Um bom castelo para despertar dragões da pedra.
Dunk entra nas listas de Alvasparedes com um escudo sem seu brasão normal. Sua estrela cadente não está nessa história, mas há outro cavaleiro da estrela cadente: Sor Glendon Flowers, que afirma ser filho de Sor Quentyn "Bola de Fogo" Ball.
Os combates acontecem de manhã e não de tarde, mas ainda há vermelho no céu: " Em algum lugar a leste, um raio irrompeu pelo céu rosa-claro". Alguns parágrafos antes, temos " Relâmpagos reluziam azuis e brancos...". Mais uma vez, algo azul no céu vermelho.
Sor Maynard Plumm (aparentemente um agente de Corvo de Sangue, se não o próprio Corvo de Sangue disfarçado) tenta convencer Dunk a fugir com Egg. Dunk é o futuro Lorde Comandante da Guarda Real, e ele responde à sugestão de fugir com um herdeiro de Targaryen da mesma maneira que Sor Gerold Hightower respondeu na Torre da Alegria: de que ele é obrigado pela honra a não fugir .
Quando Corvo de Sangue chega para terminar a rebelião antes de começar, temos "Um exército aparecera do lado de fora do castelo, saindo das brumas da manhã [...] liderados por três cavaleiros da Guarda Real". Mais imagens oníricas na névoa e três guarda reais novamente. O exército é acompanhado por Danelle Lothstan, outra mulher com tendências marciais, e mais uma vez vemos o morcego de Harrenhal que Whent carregava.
Não há pira, mas os homens de Corvo de Sangue queimam o estandarte Blackfyre de Daemon, que estranhamente "queimou por muito tempo, mandando para o ar uma nuvem de fumaçaretorcida que podia ser vista a quilômetros dali".
Corvo de Sangue fala sobre Alvasparedes, que ele pretende "colocá-la abaixo pedra por pedra", assim como Ned fez com a Torre da Alegria.
Os eventos terminam com o nascimento simbólico de um dragão, ou assim Corvo de Sangue nos diz: " Daemon sonhou que um dragão nasceria em Alvasparedes, e aí está. O tolo só errou a cor".

A Queda de Winterfell

Estou bastante icerto sobre este caso em A Fúria dos Reis, capítulo 66, mas há alguns pontos que me fazem querer inclui-lo entre os possíveis ecos.
Há uma discussão fora dos muros antes da luta, e uma jovem donzela mantida refém do lado de dentro (Beth Cassel). Ficamos com a frase " Os seus dezessete podiam matar três, quatro, cinco vezes esse número de homens ", que tem um eco fraco de sete contra três, e quando Ramsay intervém, ele deixa cair o corpo de três líderes, Rodrick Cassel, Leobald Tallheart e Cley. Cerwin, nos portões. Ramsay é encontrado por três no castelo também, Theon, Lorren Negro e Meistre Luwin. Theon diz: "Não fugirei", como os guardas reais, que não fogem. A cena se passa à noite, quando "o sol estava baixo, a oeste, pintando os campos e as casas com um clarão vermelho" e há um detalhe estranho " Os corvos chegaram na penumbra azul" - uma cor estranha para detalhes soltos, reflexos de " Uma tempestade de pétalas de rosa soprou através de um céu riscado de sangue". A coluna de homens de Ramsey apareceu " saída da fumaça". Mais iconografia de fumaça/sombra. Temos até outro Cassel morrendo. Esses ecos são duros para a Casa Cassel.
A cena termina com a destruição de Winterfell, assim como a tenda foi queimada ou a Torre da Alegria foi demolida. O cavalo de Theon está pegando fogo, " saindo aos coices dos estábulos que ardiam, com a crina em chamas, relinchando, empinando-se… ", o que é semelhante à visão de Dany na pira funerária de " Viu um cavalo, um grande garanhão cinzento retratado na fumaça, com uma auréola de chama azul no lugar da crina".
Isso pode ajudar a explicar um mistério no próximo capítulo de Bran, ACoK capítulo 69. " A fumaça e as cinzas enevoavam seus olhos, e no céu viu uma grande serpente alada cujo rugido era um rio de chamas. Descobriu os dentes, mas a serpente desapareceu". Essa frase intrigou muitos leitores e deu origem a muita especulação. Se a queda de Winterfell ecoou os eventos na tenda, que levaram ao nascimento de dragões, podemos especular que o que Verão viu foi um eco mágico do nascimento de um dragão também. Um pouco antes, em A Fúria dos Reis capítulo 28, Meistre Luwin disse a Bran que " Talvez a magia um dia tenha sido uma força poderosa no mundo, mas já não o é. O pouco que resta não é mais do que o fiapo de fumaça que permanece no ar depois de um grande incêndio se extinguir, e até isso está se desvanecendo".

Os Sete de Bran

Um que também é muito incerto, mas com uma frase interessante. Hodor, Coldhands, Jojen, Meera, Bran, Summer e Leaf lutam contra as criaturas do lado de fora da caverna do Corvo de Três Olhos em Dança dos Dragões, capítulo 13. Esses são os sete, embora eles lutem contra mais de três. Alguns dos inimigos têm mantos. Há sombras e névoa pálida. "Seus olhos brilhavam como claras estrelas azuis" lembram " azul como os olhos da morte". Não temos muita coisa, mas há o seguinte: "Verão rosnava e mordia, enquanto dançava ao redor da mais próxima, uma grande ruína de homem envolta em um turbilhão de chamas.”

A Torre dos Crabb

As jornadas de Brienne of Tarth pelas Terras Fluviais em uma missão para resgatar uma donzela Stark tem paralelos da busca de Eddard Stark para resgatar uma donzela Stark. Em Festim dos Corvos, capítulo 20, Brienne tem um confronto em uma torre há muito caída, Os Murmúrios.
Nos Murmúrios, Brienne luta contra Pyg, Shagwell e Timeon. Esses três podem ser vistos como uma versão distorcida e barata dos três guardas reais na Torre da Alegria. Pyg é um animal menos majestoso que o "velho touro", Sor Gerold Hightower. Timeon é um dornês, como Sor Arthur Dayne, mas é o oposto da natureza cavalheiresca de Dayne. Shagwell é um bobo da corte psicótico sempre fazendo piadas sombrias, enquanto a única coisa que sabemos sobre Sor Oswell Whent é que ele era conhecido por "seu humor negro".
Assim como ocorreu na Torre da Alegria, há uma discussão antes da luta, mas, embora a Guarda Real tenha deixado claro que não iria fugir pelo mar estreito, é exatamente isso que os três malditos saltimbancos estão tentando fazer.
Brienne só tem dois homens consigo quando defronta os três, Podrick e Lesto Dick. No entanto, este é outro sete oculto. Sor Creighton Longbough, Sor Illifer, o Sem-Vintém, Sor Shadrich de Vale Sombrio e Sor Hyle Hunt também eram seus companheiros, mas ela os deixou para trás.
Brienne partiu em sua jornada com um escudo com o brasão dos Lothston, o mesmo morcego de Harrenhal que estava no elmo e brasão de Whent na Torre da Alegria. No entanto, no momento em que ela chega à torre há muito caída, ela provindenciou que seu escudo fosse repintado com o brasão de Duncan, o Alto, que incluia uma estrela cadente como a de Dayne. Ela é indicada a um pintor perto de uma taverna chamada Sete Espadas, batizada em virtude de sete guarda reais.

O ritual do gelo?

Considerando-se o foco em mantos e guardas reais, certamente devemos esperar que haja uma cena com três capas pretas em algum lugar. Talvez com três capas pretas em vez de brancas poderíamos esperar uma inversão: um ritual de gelo em vez de um ritual de fogo.
Existe a possibilidade de termos visto isso logo no início. De volta ao prólogo da A Guerra dos Tronos, vimos três mantos pretos em uma patrulha. Aqui, somos informados de que "nada queima como o frio". Sor Waymar Royce diz "não haverá fogo", as mesmas palavras repetidas momentos depois por Gared. Poderia ser essa a inversão, do ritual de gelo, que estamos procurando?
" O céu sem nuvens tomou um profundo tom de púrpura, a cor de uma velha mancha escura" poderia ser o equivalente gelado da iconografia de sangue/céu que vimos em outras passagens. Temos as oito mortes nos oito Selvagens mortos que os patrulheiros encontram. Temos imagens sombrias: " Sombras pálidas que deslizavam pela floresta. Virou a cabeça, viu de relance uma sombra branca na escuridão." Estranhamente, só consegui contar seis Outros, não sete - a menos que Royce conte para os dois times, depois de morto. “Will viu seus olhos, azuis, mais profundos e mais azuis do que quaisquer olhos humanos, de um azul que queimava como gelo” parece combinar com "azul como os olhos da morte". Sobre a espada de Dayne, Alvorada, nos contam que " A lâmina era pálida como vidro leitoso, viva de luz". Da mesma forma, o líder Outros aqui tem uma "espada pálida", "viva de luar". [...]
“Uma vez e outra, as espadas encontraram-se”, mas depois que o Outro tira sangue, “O golpe do Outro foi quase displicente” e a espada de Royce se despedaça. Quando Royce cai, os Outros se juntam "como que em resposta a um sinal". Poderia ser outro ritual de sacrifício de sangue que fortalece as lâminas dos Outros?
----------------------------------------------------------
Arquimeistre Rigney escreveu um dia que a história é uma roda, pois a natureza do homem é fundamentalmente imutável. O que aconteceu antes irá forçosamente voltar a acontecer, ele disse.
(AFFC, A Filha da lula Gigante) [...]

Observações e especulações

Eu disse no começo que isso é mais observação do que teoria. Tenho muitas idéias que derivam desse conjunto de observações, mas nenhuma teoria firme para extrair de tudo isso. Portanto, não apresentarei uma conclusão para este ensaio, mas sim algumas observações e especulações adicionais que, espero, inflamarão as suas. Apresento tudo isso na esperança de que alguns de vocês possam entender mais do que eu tenho entendido até agora. Espero que desencadeie algumas discussões realmente boas.
1- Muitos desses eventos dizem respeito ao nascimento de dragões. Vaufreixo viu Egg revelado como um dragão, enquanto Alvasparedes era sobre um dragão nascido da pedra. Verão viu a imagem de um dragão saindo das chamas de Winterfell. Cersei perguntou sobre as crianças meio dragão que ela teria com Rhaegar. O filho meio dragão de Dany acabou por ser literalmente meio dragão e, quando ela terminou o ritual, seus três ovos eclodiram em dragões mais literais. Acho que isso nos dá uma boa razão para suspeitar que um meio-dragão também nasceu na Torre da Alegria.
2- Há um forte rastro de sangue mágico percorrendo esses ecos. Cersei tem que se desfazer de um pouco de seu sangue, os homens de Jaime são obrigados a matar os de Ned para enviar uma mensagem, Lewin rasteja para a árvore coração para morrer, repetindo acidentalmente a antiga tradição de sacrifício de sangue em um represeiro que Bran testemunha em suas visões. O mais óbvio para o sacrifício de sangue é, claro, o ritual na tenda. Eu me pergunto se isso não realiza a ideia do sacrifício de “dois reis para acordar o dragão”. A princípio, pode parecer que Rhaego morrendo antes de Drogo contradiz “O pai primeiro e depois o filho, para que ambos os reis morram”, mas se o espírito de Rhaego entrou no corpo de Drogo, então, sem dúvida, ambos estão vivendo como rei na hora da morte. Uma alternativa poderia ser que isso é como a questão dos dragões e do gênero, um caso de interpretação incorreta. Ninguém realmente precisa ser coroado rei para ter sangue do rei, então talvez qualquer pai e filho da realeza satisfaça.
Com isso em mente, pode ser que a Torre da Alegria represente uma versão interrompida do mesmo ritual. Rhaegar morreu no Tridente e seu corpo foi queimado. Para completar o ritual então, devemos esperar ver seu filho queimado também. Há uma boa razão para pensar que isso está prestes a acontecer, com Melissandre queimando o corpo de Jon na Muralha. Haverá outra eclosão quando o ritual iniciado na Torre da Alegria for concluído? “Mate o menino...”
3- Há um maegi na tenda de Cersei, bem como havia na de Drogo. Há um meistre na queima de Winterfell e na Fortaleza de Maegor. Também pode haver uma figura semelhante em Alvasparedes. Isso é completamente especulativo, é claro, mas há uma tropa de anões que aparentemente são agentes de Corvo de Sangue que roubam o ovo do dragão. Um desses anões poderia ter sido o Fantasma do Coração Alto? Howland Reed, com seu treinamento de vidente verde, pode ter desempenhado um papel semelhante na Torre da Alegria. Outra possibilidade intrigante é que o Fantasma pode ter sido trazido para a Torre da Alegria das Terras Fluviais com Lyanna. Quando Arya encontra o Fantasma no Coração Alto, o Fantasma já sabe quem ela é, mas reage com consternação ao vê-la de perto. Talvez seja porque a aparência de Arya lembrava a de Lyanna? Isso poderia responder perfeitamente à pergunta de quem estava cuidando de Lyanna e quem eram “eles” que encontraram Ned com Lyanna, quando apenas Howland havia sobrevivido.
4- Solarestival pode ter sido outro desses eventos. Temos muito poucos detalhes, mas sabemos que pelo menos um guarda real estava lá, Duncan, o Alto, que parece estar envolvido nesses ecos de alguma forma. Após a morte de Duncan em Solarestival, o comando da Guarda Real passou para Sor Gerold Hightower, descrito em O Mundo de Gelo e Fogo como o novo jovem comandante. É razoável especular que Dunk não foi a única fatalidade da guarda real ali, ou podemos esperar que uma guarda real mais velho ocupasse o lugar de Dunk. Será que haviam três lá? Havia sete ovos, talvez como os sete que enfrentavam os três. Temos um presente de bruxa da floresta e um castelo queimado até o chão. Da canção de Jenny, temos “
No alto dos salões dos reis que partiram, Jenny dançava com os seus fantasmas...“. O que pode trazer à mente as sombras dançando na tenda. Temos a morte de um rei e o nascimento de um dragão, Rhaegar. Podemos especular que Duncan, o Alto, o pobre Dunk, o Pateta, apesar de ter vivido mais desses ecos do que qualquer um, atrapalhou os dragões de eclodirem ao resgatar Rhaegar.
O que sabemos sobre Solarestival é que a intenção de Jaehaerys era cumprir uma profecia sobre a criação de dragões, e isso por si só se encaixa no simbolismo que temos aqui. Sabemos que Rhaegar tinha motivos para acreditar que ele era o príncipe nascido em meio a sal e fumaça por causa de Solarestival, então ele achou importante. Obviamente, isso é algo altamente especulativo, mas se descobrirmos que havia três guardas reais em Solarestival, reservo-me no direito de dizer “eu avisei”!
5- A idéia de Targaryens bebendo fogovivo para se tornar dragões sempre pareceu plenamente louca. Talvez eles soubessem mais do que nós, e estavam tentando se tornar o homem em chamas, que cavalga no cavalo de fogo?
6- Me pergunto se o garanhão vermelho é um símbolo do cavalo-em-chamas. Dizem-nos que os dothraki acreditam que as estrelas são cavalos de fogo. É interessante considerar que um dragão também é um cavalo de fogo. Pode ser que em algum sistema totêmico, o advento dos cavaleiros de dragão Targaryen significasse que o dragão veio substituir o cavalo de fogo.
7- Há muito simbolismo animal envolvido, frequentemente repetido em vários desses eventos. Gostaria de saber se isso representa algum panteão antigo de divindades animistas: O Urso, o Javali, o Veado, o Lobo, o Morcego, o Touro, o cavalo em chamas / homem em chamas (cavalo e cavaleiro em chamas?
8- O aviso de GRRM sobre o sonho febril na Torre da Alegria, de que não devemos interpretar muito literalmente, é interessante, pois pode refletir o GRRM nos alertando que o que vimos não é a realidade mundana que vimos em outros momentos.
9- A semelhança entre o seqüestro do irmão de Jaime e o seqüestro da irmã de Ned pode ser motivo para pensar que Lyanna foi sequestrada na Estalagem da Encruzilhada. Isso criaria uma simetria interessante de eventos, já que o Vau Rubi, onde Rhaegar morreu, está ali próximo.
10- Existem sobreposições e diferenças, mas podemos começar a considerar uma lista de sinais que parecem ser compartilhados por vários exemplos diferentes:
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2019.12.24 23:15 DoktorOmni [A Viagem de Luhkien] - Capítulo 1

“Jovem Luhkien, contemple: o Vórtice!”
O tom usado por Mestre Eustahk havia sido tão pomposo e exagerado que chegava a soar um tanto cômico. Mesmo assim, seu Discípulo, Luhkien, tinha de admitir para si mesmo que o Vórtice era de fato uma visão impressionante, mais que merecedora de ser anunciada com tamanha grandiloquência.
Não que a imagem do Portal Celeste fosse desconhecida para o Noviço, é claro. Afinal, o Vórtice era perfeitamente visível lá de baixo, da superfície de Grendohr, com um tamanho e brilho aparentes similares aos de uma lua adicional.
O que, de certa forma, ele realmente era…
Para começo de conversa, o Vórtice descrevia uma órbita estável ao redor de Grendohr, completando uma volta a cada oitenta e quatro horas e trinta e um minutos. Além disso, a massa-energia do Portal Celeste (conforme “percebida” pelo espaço circundante) era equivalente à de um planeta anão com várias centenas de quilômetros de diâmetro.
Mesmo assim, da superfície de Grendohr - a dezenas de megâmetros de distância, e atrás de uma densa atmosfera - o Vórtice era visível apenas como uma distante elipse de luz azulada difusa.
A posição de então da nave porém estava em um extremo oposto em termos de visibilidade. A poucos minutos da captura pela Zona de Sucção, e com a limpidez que só o vácuo do espaço era capaz de proporcionar, a visão do Vórtice era… magnífica!
Um deslumbrante e gigantesco redemoinho de luz multi-colorida, já preenchendo grande parte do campo de visão de Luhkien.
De fato, pela primeira vez em sua curta vida, o Noviço era capaz de ver com os próprios olhos a estrutura delicada do disco do Portal Celeste. Em outras palavras, as miríades de espirais luminosas etéreas que o compunham, finas como fios de cabelo.
Elas não eram estáticas, como as de alguma galáxia distante. Em vez disso, elas fluíam de forma perceptível do centro para a borda… como era de se esperar de um redemoinho.
Esse movimento era de excruciante lentidão na periferia, como se as espirais fossem compostas de um exótico líquido luminoso extremamente viscoso, tentando desesperadamente escorrer em direção a um distante ralo central.
A velocidade no entanto aumentava rapidamente ao longo das voltas interiores… até por fim se transformar em um borrão circular indistinto de velocidade nas imediações do centro.
As cores também variavam ao longo do raio. Assim, a borda era de um violeta tão profundo e escuro que mal era distinguível do negro aveludado do próprio espaço.
Esse tom sombrio porém logo mudava para um azul-neon brilhante - o qual era, de fato, a fonte principal da coloração percebida da superfície de Grendohr. Daí se seguiam verdes e amarelos cítricos, laranjas vibrantes e, finalmente… um vermelho-sangue radiante, tão intenso que chegava a fazer os olhos de Luhkien doerem um pouco.
O Olho de Fogo!
submitted by DoktorOmni to BrasilFantastico [link] [comments]


2019.11.06 06:33 bicto O que é o liberalismo?


O que é o liberalismo?
O que é o liberalismo? Em que medida é possível encontrar características constantes num movimento de ideias e de iniciativas práticas que se desenvolve no curso de três séculos e frequentemente apresenta, na mesma época, tendências bastante diversas?
Merquior se propõe essa questão inicial e lhe dá uma resposta afirmativa. O liberalismo não é uma expressão oca mas, dentro de suas variações de época e de escolas, mantém-se, embora em proporções diferenciadas, fiel à sustentação de quatro liberdades fundamentais. São elas: (1) liberdade (negativa) de não sofrer interferências arbitrárias; (2) liberdade (positiva) de participar nos assuntos públicos; (3) liberdade (interior) de consciência e crenças e (4) liberdade (pessoal) para o autodesenvolvimento de cada indivíduo.Essas quatro liberdades constarão sempre, ainda que em doses diferentes e, algumas vezes, de forma mais implícita do que explícita, do elenco histórico do pensamento liberal. Este, visto no seu conjunto, do século XVIII aos nossos dias, apresenta diferenciações, basicamente em função das características de cada época, no que diz respeito à maior ou menor ênfase dada a cada uma dessas quatro liberdades e no que se refere ao relacionamento entre o indivíduo, a sociedade e o Estado. Por outro lado, o pensamento liberal, também contemplado no seu conjunto, reflete as tendências predominantes nas culturas nacionais em que se desenvolve.
No que tange ao desenvolvimento histórico do liberalismo, Merquior identifica, inicialmente, um protoliberalismo, que mergulha suas raízes mais remotas na defesa medieval dos direitos e no humanismo do Renascimento.Poderia ter se referido à emergência da liberdade interior, com Sócrates e Platão, e dos direitos universais do homem, com os estoicos. Em seguida, Merquior diferencia seis principais correntes no liberalismo: o liberalismo clássico, o conservador, o novo liberalismo, o neoliberalismo, o neocontratualismo e o liberalismo sociológico.
No que concerne às escolas do pensamento liberal, influenciadas pelas características das principais culturas nacionais em que se desenvolveu, Merquior distingue três linhas. A escola inglesa, de Hobbes e Locke a Bentham e Mill, para a qual a liberdade é principalmente a independência pessoal. A escola francesa, a partir de Rousseau, para a qual a liberdade é, fundamentalmente, autogoverno. E a escola alemã que, com base em Humboldt, encontra a essência da liberdade na autorrealização pessoal.
Raízes do liberalismo
Em última análise, segundo Merquior, o cristianismo, de um modo geral e, particularmente, a Reforma e a Revolução Francesa, constituem os fundamentos a partir dos quais se desenvolve o liberalismo.
As raízes mais remotas do liberalismo podem ser encontradas no pensamento medieval, com Marcilio de Padua (1275-1343) e seu Defensor Pacis (1324) introduzindo o requisito de consentimento dos governados, para a legitimidade dos governos. Ockham (1300-1349), Francisco Suárez (1548-1617), Hugo Grotius (1583-1645) e Johann Althusius (m. 1638) são importantes precursores de muitos dos aspectos do liberalismo. Modernamente, deve-se a John Locke, com seu Second Treatise on Government (1659) a implantação das bases do pensamento liberal.
Merquior reconhece, entre os antecedentes remotos, a influência do conciliarismo eclesiástico na configuração do pensamento constitucionalista. Faltou-lhe referir, como precedentemente mencionado, o legado grego em matéria de liberdade interior, um dos fundamentos do pensamento liberal e, por outro lado, o mesmo legado grego na construção da democracia, como regime político. Haveria que acrescentar a relevante contribuição dos estoicos, precedendo o cristianismo no entendimento da dignidade universal do homem, independentemente de sua cidadania e condição social.
Sem embargo de suas raízes remotas, o liberalismo, como movimento de ideias e de práticas societais, procede da Ilustração. Esta, em última análise, levantou a problemática fundamental da relação homem-sociedade-Estado, que é, por um lado, a exigência da liberdade, tanto negativa, no sentido de não coerção, quanto positiva, no sentido da participação pública. Por outro lado, a exigência da racionalidade pública, opondo-se às modalidades populistas e clientelistas da democracia. O século XVIII oscilou, por isso, entre os direitos públicos da cidadania, enfatizados pela Revolução Francesa, e as exigências de racionalidade pública, enfatizadas pelo chamado “despotismo esclarecido” – de Frederico, o Grande ou do Marquês de Pombal – que, não tendo sido efetivamente despótico, mereceria a denominação de autoritarismo esclarecido.
Liberalismo clássico – 1780-1860
O liberalismo clássico é uma reflexão sobre as condições de formação e de legitimidade do Estado e uma defesa das liberdades negativa e positiva, ante o governo e no âmbito do Estado. Hobbes sustenta que a preservação da incolumidade das pessoas e de seus direitos básicos conduz à delegação de todo o poder ao príncipe, como administrador desses valores. Locke contrapõe, no contrato social básico, a exigência do consentimento dos governados, como condição de legitimidade do poder.
Os whigs, primeiro partido organizado de tendência liberal, incorporam as exigências de consentimento, de Locke, moderando-as com algo de Hobbes, na preservação da autoridade do príncipe.
O liberalismo clássico produzirá um brilhante elenco de pensadores: Benjamin Constant e Alexis de Tocqueville, na França; John Stuart Mill, na Inglaterra; Giuseppe Mazzini, na Itália; Alexander Herzen, na Rússia. Locke, moderadamente influente na Glorious Revolution, será decisivamente influente na formação do pensamento liberal da Independência americana.

Liberalismo conservador
Os excessos da Revolução Francesa, quer no populismo de Marat e Danton, quer no jacobismo de Robespierre e do Terror, culminando no imperialismo autoritário de Napoleão, levam o pensamento liberal de fins do século XVIII e primeira metade do XIX a uma reação conservadora. É preciso proteger a sociedade das oscilações entre um populismo irresponsável e um dogmatismo repressivo. Edmund Burke (1729-1797), com sua crítica da Revolução Francesa dá o tom do liberalismo conservador. Será seguido, na Inglaterra, por Thomas Macaulay (1800-1859), John Dalberg, barão Acton (1834-1902), Walter Bagehot (1826-1877), o grande editor do Economist desde 1861 até seu falecimento, e pelo evolucionismo social-darwinista de Herbert Spencer (1820-1903). Na França, o liberalismo conservador será introduzido por François-René de Chateaubriand (1768-1848). O liberalismo francês de tendência conservadora distinguirá, na grande revolução, seu momento positivo, 1789, do negativo, 1793. Com variantes vinculadas às vicissitudes políticas da França, são inseríveis na categoria do liberalismo conservador personalidades como Michelet (1798-1874), que apoiará o Segundo Império, Rémusat (1797-1875), que apoiará Thiers, mas manterá sua preferência por uma monarquia constitucional, Edgard Quinet (1803-1875), que sustentará um liberalismo sem reivindicações de classe, e Ernest Renan (1823-1892), que defenderá um liberalismo não democrático.
O quarto capítulo de O Liberalismo – Antigo e Moderno, que aborda o liberalismo conservador, inclui uma seção tratando de uma particular vertente desse liberalismo, sob a denominação de liberalismo de construção nacional, analisando a obra e as atividades públicas de dois eminentes pensadores argentinos: Domingo Faustino Sarmiento (1811-1888) e Juan Bautista Alberdi (1810-1884).
Sarmiento, herdeiro das preocupações da Ilustração, no tocante à compatibilização entre as liberdades negativas e positivas do cidadão e o imperativo de racionalidade pública, mostra como a condição dessa compatibilização é a universalização da educação popular, através da escola pública. Em seu clássico, Facundo, Civilización y Barbarie (1845) coloca-se decisivamente a favor daquela, contra o caudilhismo rural. Alberdi se defronta com uma Argentina invadida por imensas ondas migratórias e se preocupa em salvaguardar a nacionalidade, denegando direitos políticos aos imigrantes. Natalio Botana, citado por Merquior, define Alberdi como o Edmund Burke da imigração europeia. Sua proposta é a de uma modernização conservadora, que favorece a industrialização e o progresso, em condições que protejam a república da irracionalidade das massas e da desnacionalização dos imigrantes.
Constitui uma valiosa inovação, por parte de Merquior, ter superado o preconceito de restringir a discussão das grandes ideias públicas, ao universo euro-norte-americano, introduzindo, em sua grande obra, uma fina análise de Sarmiento e Alberdi. É de lamentar-se, por outro lado, que essa lúcida e despreconceituosa abertura não tenha incluído referências fundamentais ao liberalismo mexicano, com Benito Juárez e o liberalismo conservador-progressista de Porfirio Díaz, não tenha contemplado o liberalismo brasileiro, de Antonio Carlos de Andrade a Ruy Barbosa, nem o pensamento e a atuação chilenos, no extraordinário esforço de nation-building de Diego Portales.
O estudo do liberalismo conservador de Merquior se encerra com uma análise do pensamento alemão, vinculado à ideia do Rechtsstaat, incluindo uma penetrante discussão de Max Weber. A essa análise se seguem outras duas, abordando o pensamento de Benedetto Croce na Itália e de José Ortega y Gasset, na Espanha.
O pensamento alemão é pautado por duas grandes linhas; o conceito de Wilhelm von Humboldt sobre os limites do Estado, visto como “guarda noturno” das liberdades cívicas e o conceito de Kant sobre a autocultivação, como supremo objetivo da pessoa, requerendo apropriada tutela do Estado.
Avulta, nesse pensamento, a figura de Max Weber (1864-1920), que combina, admiravelmente, a tradição historicista germânica com as exigências, tingidas de positivismo, de uma sociologia científica. Dentro dessa perspectiva, Weber se dá conta de que o processo de modernização consiste numa expansão da racionalidade instrumental, cujo agente social é a burocracia. As sociedades modernas se defrontam, assim, com um duplo perigo: o despotismo burocrático e, na contestação a este, o do autoritarismo carismático. Para superar esse duplo risco Weber enfatiza a necessidade do parlamentarismo como forma democrático-racional de seleção de lideranças políticas.
Benedetto Croce (1866-1952) é outra figura eminente analisada por Merquior. Croce, a partir de um profundo historicismo (que resgata a figura de Giambattista Vico) sustenta um liberalismo como exigência moral, em oposição ao liberalismo econômico do utilitarismo. A grande contribuição de Croce foi a identificação, no processo histórico, de um crescimento cumulativo, embora não linear nem ininterrupto, da liberdade. Esse compromisso com a liberdade, como exigência moral, mas também como tendência evolutiva da história, levou Croce a uma consistente posição antifascista.
A análise do pensamento de Ortega (1883-1955) encerra a discussão, por Merquior, das grandes personalidades do liberalismo conservador. Ortega se defronta com exigências contraditórias. Por um lado, seu profundo liberalismo, como decorrência necessária de seu abrangente humanismo. Por outro lado, sua crítica ao homem-massa, não entendido como membro do proletariado, mas
como um tipo psicocultural, que se encontra em todas as classes sociais, consistente no homem sem ideais superiores, que se esgota na busca do bem-estar.
O liberalismo de Ortega o leva a apoiar os esforços iniciais da República e a se opor, concomitantemente, ao franquismo e ao comunismo. O elitismo psicocultural de Ortega o conduz, a meu ver, a uma modalidade própria de liberalismo conservador, que se poderia definir como uma sustentação universal das liberdades negativas e uma abordagem seletivamente meritocrática para as liberdades positivas. Escapou à análise merquioriana esse aspecto do pensamento de Ortega, que me parece extremamente relevante.
Concluindo sua magistral discussão do liberalismo de seu momento clássico ao conservador, Merquior diferencia, no processo, cinco principais expressões: (1) os direitos naturais, com Locke e Paine; (2) o humanismo cívico, de Jefferson e Mazzini; (3) o das etapas históricas, com Smith e Constant; (4) o utilitarismo, com Bentham e Mill; (5) o sociologismo histórico, com Tocqueville.
O liberalismo é um processo que parte do whiguismo, como mera demanda de liberdade religiosa e governo constitucional, para atingir a democracia. Os excessos desta preocupam os liberais conservadores, que querem moderar a democracia e se constituem em neo-whigs.
Daí resultam em três modalidades de liberalismo: (1) o idioma burkeano, de Macauley, Maine, Alberdi, Renan, Acton; (2) a linguagem darwinista, de Spencer; (3) o historicismo, com suas implicações elitistas, de Weber e de Ortega.

O novo liberalismo
Albert Dicey, citado por Merquior, observa que o reformismo legal, na Inglaterra, teve duas fases no século XIX. A primeira, de 1825 a 1870, encaminhou-se para defender e expandir a independência individual. A segunda, de 1870 em diante, teve por objetivo a justiça social.
O novo liberalismo, do fim do século passado em diante, teve um forte cunho social, tornando-se um social-liberalismo. A grande figura britânica, nessa linha de pensamento, foi Thomas Hill Green (1836-1882). A partir de um hegelianismo kantiano, Green sustenta a necessidade de, mantendo-se o princípio da liberdade, liberdade de qualquer coerção, encaminhar-se para a liberdade positiva, para assegurar a todos os homens a plenitude de seu autodesenvolvimento – a Bildung dos alemães. O objetivo da ação pública deve ser o da melhoria social. Isto significa agregar, à defesa dos direitos individuais, a exigência de igualdade de oportunidades e de uma ética comunitária. John Hobson (1854-1940) e Leonard Hobhouse (1864-1929) prosseguem na linha de Green. Hobhouse insiste na exigência de liberdade positiva. Hobson se tornará famoso com seu Imperialism, de 1902, atribuindo este à excessiva acumulação de riquezas e poupança, que passam a exigir a conquista coercitiva de novos mercados.
As ideias de Green foram mantidas e postas em prática por William Beveridge (1879-1963). A partir do Reform Club, em 1942, Beveridge elabora os “Estatutos Originários” do estado de bem-estar social britânico.O liberalismo social assumiu, na França, a forma do republicanismo. O que estava em jogo era a reconstrução das instituições depois da derrocada do Segundo Império, sem incidir no populismo da Comuna, nem no retorno ao monarquismo conservador. As ideias básicas do movimento são lançadas por Claude Nicolet em L’idée Républicaine en France, de 1870. O liberalismo social, na França, se subdivide em diversas modalidades: neogirondinos, com Quinet; neodantonistas, com Michelet e Victor Hugo; republicanos positivistas, com Jules Ferry e Gambetta, e republicanos espiritualistas, com Charles Renouvier.
O liberalismo social, na França, tomou a defesa de Dreyfus. Seus expoentes mais recentes foram Émile Durkheim (1858-1917) e Leon Duguit (1859-1925). A expressão final dessa tendência adquire, com Alain (Émile Chartier, 1868-1951) um sentido super-individualista, beirando o anarquismo. Alain será extremamente influente na formação do pensamento de Sartre, de Simone Weil e de Raymond Aron. Essa tendência, com coloração mais social, será mantida por
Albert Camus (1913-1960) em seus romances. O liberalismo social tem importantes defensores, na Itália, com Piero Gobetti (1901-1926), antifascista, numa posição de social-liberalismo idealista, baseado nas massas e Cario Roselli (1899-1937), que busca um socialismo democrático, liberado do marxismo. Na Espanha, com Salvador de Madariaga (1886-1978), dentro de uma visão organicista da democracia.
Na Alemanha, o liberalismo social se identifica com o apoio à República de Weimar. Seu mais eminente expoente será Hans Kelsen (1881-1973). Em seu trabalho de 1920 Sobre a Essência e o Valor da Democracia, o eminente jurista sustenta que a essência desta consiste na autonomia da geração da norma, em condições de pluralismo político.
Os Estados Unidos dão uma relevante contribuição ao liberalismo social com Woodrow Wilson (1856-1924) e seu programa da “New Freedom” e John Dewey (1859-1952), com sua ênfase sobre a educação.
Mais recentemente, os britânicos dão nova importante contribuição ao socialliberalismo, com Keynes (1883-1945) e o romancista George Orwell (1903-1950). Karl Popper, de tendência conservadora e perspectiva neopositivista, desenvolve, em termos antiestatistas, uma preocupação com a superação da miséria. Seu famoso dito: “minimizem a miséria, em vez de tentar maximizar a felicidade”. Dentro dessa linha, destaca-se a importância intelectual de Sir Isaiah Berlin, cujo Two Concepts of Liberty, de 1958, diferenciando a liberdade negativa da positiva, salienta o imperativo de perseguir objetivos racionais, evitando todas as formas de autoritarismo.
Neoliberalismo
Enquanto o que Merquior designa de “New Liberalism” se caracteriza pela impregnação da preocupação social no pensamento liberal, o neoliberalismo toma sentido oposto, constituindo uma dura crítica do paternalismo estatal. Von Mises (1881-1933) com seu libelo Socialismo, de 1922, denunciando os abusos da regulação social, Von Hayek (1899-1992) sustentando um liberalismo de mercado, em condições de governo mínimo, juntamente com Milton Friedman (1912-2006) e sua irrestrita defesa do mercado, marcam a linha extremamente conservadora do neoliberalismo.
O neoliberalismo retoma a temática individualista do liberalismo clássico, dentro da postura do liberalismo conservador de Burke, Macauley e Bagehot. E conhecida a grande influência exercida por essa linha de pensamento na política contemporânea, a partir de Thatcher, na Grã-Bretanha, e de Reagan, nos Estados Unidos, irradiando-se para o restante do mundo, notadamente em muitos países do Terceiro Mundo. O fato de governos economicamente neoliberais, ainda que frequentemente fundados num autoritarismo político, terem conquistado, no Sudeste Asiático e em países latino-americanos, como o Chile de Pinochet (numa orientação continuada pelo governo democrático de Patricio Aylwin) e o México, importantes êxitos econômicos, conferiu à ideologia neoliberal uma grande audiência.
Merquior analisa, com muita competência, as principais personalidades do pensamento neoliberal. É de lastimar-se que não tenha introduzido as necessárias qualificações, no tocante à diferenciação que importa fazer, entre a comprovada validade de uma economia de mercado, dinamizada pela empresa privada, como condição de boa alocação e gestão de recursos, dos aspectos puramente ideológicos do neoliberalismo, demonizando o Estado e, por conta de sua desmontagem, instaurando a lei da selva em sociedades cuja estabilização se devera aos sadios efeitos do Welfare State.
Liberalismo sociológico
O quinto e último capítulo do livro de Merquior contém duas seções finais. Uma tratando do que se poderia denominar de “liberalismo sociológico”, que consiste, fundamentalmente, numa análise crítica do pensamento de Raymond Aron e de Ralf Dahrendorf. A outra, abordando o neocontratualismo de Rawls, Nozick e Bobbio.
Em sentido estrito, não se pode falar de liberalismo sociológico em relação a Aron e a Dahrendorf. Tal denominação só teria sentido aplicada ao liberalismo de Spencer e de Durkheim. Aquele, por seu determinismo evolucionista. Este, por seu determinismo social. Aron e Dahrendorf são eminentes sociólogos e convictos liberais. Em ambos o liberalismo não decorre de postulados sociológicos ainda que, certamente, a condição de competentes sociólogos os leve a superar os aspectos meramente ideológicos de várias modalidades de liberalismo, tanto de esquerda quanto de direita.
Aron (1905-1983), tão multifacético como Merquior – que sobre este emitiu a famosa frase “ce garçon a tout lu” – sustenta um liberalismo moderadamente conservador, na relação indivíduo-sociedade-Estado, enfatizando as liberdades negativas e a relevância do mercado. Por outro lado, tem consciência da necessidade de uma prudente regulação, pelo Estado, das relações econômicas (medidas anticíclicas) e sociais (igualdade de oportunidades e proteção de setores carentes). Sua militante denúncia das falácias do comunismo e dos populismos de esquerda lhe valeram, durante largo anos, a hostilidade da maioria dos membros da intelligentzia. Sua extraordinária honestidade intelectual, sua enorme competência e excepcional lucidez acabaram lhe conquistando a admiração geral de todos os intelectuais sérios, ainda antes de o colapso do comunismo no Leste Europeu e na União Soviética confirmar, historicamente, a procedência de suas críticas.
A análise de Aron, por Merquior, se concentra, sobretudo, na sua obra histórico-sociológica e menos nas suas concepções a respeito do liberalismo, estas predominantemente veiculadas através de sua ampla contribuição ao jornalismo. Ralf Dahrendorf (1929-2009) compartilha, com Aron, a análise da sociedade industrial contemporânea e estuda os conflitos que lhe são próprios.
Particularmente importante, a esse respeito, é seu livro The Modern Social Conflict (1988). Mostra Dahrendorf como, na contemporânea sociedade industrial (tornando-se pós-industrial), os conflitos de classe, ao estilo do século XIX, foram superados por outro tipo de conflito. As diferenciações de classe ficaram extremamente reduzidas pela universalização da educação e de um estilo de classe média para, praticamente, toda a população. Formou-se, assim, um amplo estrato de assalariados, tanto de blue como de white collars. O próprio empresariado, sem embargo de seus proventos e poder decisório, decorrentes do capital, participa desse estrato como executivo das empresas. O novo conflito social, nas sociedades contemporâneas avançadas, é o conflito entre “provisões” e “titularidades”. A legislação social e os acordos sindicais conferem “titularidades”, independentemente de específicas “provisões” para atendê-las, ocasionando, assim, frequentemente, conflitos entre direitos adquiridos e meios para dar-lhes atendimento. Os atuais debates no Brasil, em torno das aposentadorias, são uma boa ilustração desta questão. Esse tipo de conflito suscita dois movimentos sociopolíticos opostos. De um lado, a classe majoritária (o amplo assalariado), com as demandas de suas titularidades. De outro lado, os “thatcheritas”, ciosos da proteção das provisões disponíveis, impondo disciplina às titularidades.
Nesse quadro, Dahrendorf, como Aron, preconizam um liberalismo radical, que assegure um sadio equilíbrio entre provisões e titularidades.

Os neocontratualistas
John Rawls (1921-2002) conquistou fama tardiamente, com seu livro ATheory of Justice (1971). Retomando a tese do contrato social, Rawls assinala que o que está realmente em jogo não é tanto a questão da legitimidade do poder, de que se ocupavam os utilitaristas, mas as regras de justiça. O contrato social de Rawls é expressamente hipotético. Trata-se de saber o que pessoas racionais contratariam se, ignorando os recursos de cada qual e o lugar que lhes fosse dado ocupar na sociedade, tivessem de estabelecer as regras de justiça. Segundo Rawls, tal situação conduziria à adoção de dois princípios: (1) cada qual deve ter igual direito ao máximo de liberdade compatível com a liberdade dos demais; (2) desigualdades sociais podem ser admitidas, sempre que beneficiem os menos favorecidos membros da sociedade. Tais posições conduzem Rawls a um social-liberalismo.
Robert Nozick (1938-2002), em seu Anarchy, State and Utopia (1974) adota posições divergentes, sustentando, também a partir de premissas neocontratualistas, a necessidade de minimização do Estado, que o inserem na linha do neoliberalismo.
Norberto Bobbio (1909-2004), uma das maiores figuras intelectuais de nosso tempo, se preocupa com o futuro da democracia e com o tipo de boa sociedade e de bom governo realisticamente realizáveis. Seu livro Estado, Governo e Sociedade (1955) é, possivelmente, o melhor compêndio contemporâneo de teoria política.
Segundo Bobbio o bom Estado deve apresentar cinco características básicas: (1) inserir-se num contexto poliárquico; (2) conter limitações de poder; (3) assegurar aos cidadãos participação na adoção de normas; (4) dispor de procedimentos democráticos para a eleição dos líderes e (5) respeitar os direitos civis e cívicos. Como Rawls, Bobbio é um social-liberal e um democrata liberal.

Esse texto é um apêndice escrito por Hélio Jaguaribe no livro O Liberalismo: Antigo e Moderno, de José Guilherme Merquior, publicado pela editora É Realizações em 2014.
submitted by bicto to brasil [link] [comments]


2019.07.18 05:41 tabatavtr Eu sou um lixo e nunca vou ser nada na vida :(

Eu nunca tive perspectiva de vida, sempre pensei que iria ir mal na escola e só passar de qualquer jeito depois arrumar um emprego bem bosta em alguma fábrica, gostava de ficar pela rua bebendo assim como muitos jovens da minha idade, até eu começar a namorar uma pessoa totalmente o oposto de mim, um menino extremamente inteligente, com um futuro brilhante planejado, querendo um emprego que ganhasse bem e ter uma boa vida, ele tinha uma ótima perspectiva de vida e não se importava com essas futilidades de sair por aí a noite e beber como os outros jovens. A gente faz dar certo, mas ele é uma pessoa brilhante e eu sou só uma depressiva, ele tem dois empregos e eu não consigo nem um, ele faz cursos e já terminando a escola e eu? Ainda vou mal, passei de ano apenas por milagre ? Eu já não tenho mais esperança eu sempre vou ser um nada, eu fico feliz pelo sucesso dele, mas fico mal por mim, ele acredita em mim, e me questiona a profissão que quero exercer eu nem se quer pensada nisso antes, mas ele acredita no meu potencial eu finjo ter forças e acreditar nele. Mas eu fico mal, e choro muito sozinha, pq eu sei que não vou a lugar nenhum, e ele tem um futuro brilhante, apenas estou atrasando ele! Como isso me dói
submitted by tabatavtr to desabafos [link] [comments]


2019.04.10 09:10 jwachowski Cinismo

— É isso então? Acabou? — Eu disse isso assim louco, sem acreditar que aquilo estava acontecendo. Eu que sempre fui fiel, bom amante, companheiro.
— É que você é complicado demais. Você não decide o que quer. Eu gosto de você e não quero te magoar.
— Gostar não é amar. E se você não queria me magoar então tá fazendo do jeito errado.
— Eric, por favor não complica mais as coisas. — Eu não entendia porque eu tava insistindo tanto. Quer dizer, sabia sim. Mas a essa altura eu já tava fora de mim. Não era só o pé na bunda. Eu a amava. De verdade. Assim como nunca amei ninguém.
— Por favor Laís, me diz o que eu fiz de errado? Eu posso mudar. — Amar é isso aí caro leitor. Se humilhar feito um cachorro e ainda ter orgulho disso. Gado demais. Nunca vou esquecer um conselho que uma linda garota de sobrancelhas grossas e sorriso brilhante me deu: Não game. Ela dizia isso toda vez que trepávamos na época do ensino médio. Óbvio que eu nunca consegui seguir esse conselho. Na verdade, nem nunca tentei e fiz exatamente o oposto.
— Olha, Eric. Eu não quero falar disso. Você é uma boa pessoa. O problema é comigo. Eu preciso de um tempo pra mim.
— Por favor Laís, não me deixa. — Os níveis de gadisse e humilhação já estavam ultrapassando todos os limites respeitáveis do bom senso. Estávamos na rua. Na calçada em frente a faculdade. Eu estava sentado no banco da minha moto e as pessoas na rua já começavam a olhar aquele chororô.
— Para com isso Eric. É por causa dessas coisas que eu tô terminando. Você não sabe se controlar. Não aguento mais esse teu ciúme. Eu não posso nem olhar pra ninguém que você já acha que eu tô te traindo.
— É porque eu te amo muito. — Ouh drama…
— Eu sei mas vamos com calma. — Ela disse isso levemente irritada com a minha atitude infantil.
— Eu vou embora. Tenho aula agora. E você fica bem. Você é legal, cara. Não vou me esquecer de tudo que vivemos. Fica bem. A gente se vê por aí. — Ela me deu um beijinho carinhoso na testa e saiu andando sem olhar para trás. Se ela parecia abalada não demonstrou. Eu invejava aquela força dela. Deve ser por isso que eu gostava tanto dela. Essa autoestima. Esse jeito de encarar tudo de frente e peito aberto. Pensei em pedi-la em casamento. Mas não dava. Eu tava destruído. Minha cara chorosa estava inchada. Eu parecia o Naldo Benny pedindo desculpas em público depois de bater na mulher. A nossa diferença é que eu nunca conseguiria bater em ninguém. Minha mãe só me ensinou a dar carinho e amar, amar e amar. E na verdade eu prefiro ser slave, mas sei ser master também se você quiser. Subi na moto e saí pelas curvas da estrada que nem um louco apaixonado. Pensava em me jogar em cada caminhão que cruzava meu caminho (olha o drama novamente). Deve ser por isso que ela me deixou. Segui para casa. Estacionei a moto na calçada e entrei pela porta. Bel estava assistindo teve na sala.
— Eric, o que foi? Que cara é essa? — Apenas sentei no chão junto ao sofá, enfiei minha cara na saia dela e chorei alto que nem um bezerro desmamado. Como dizer para a fiel que terminei com a amante? Como dizer que amo ela e a outra? Como é possível amar duas pessoas ao mesmo tempo? E vão se fuder com esse papo de poliamor. Poliamor é meu ovo esquerdo. Meu coração dói. Minha consciência dói, minha alma dói. Tudo dói e eu não sei o que fazer. Desculpa ter de contar isso aqui pra vocês mas quem nunca.
submitted by jwachowski to rapidinhapoetica [link] [comments]


2018.10.29 16:47 KGeedora Brasil, seja forte (de um australiano)

Na sequência daquele bom homém da Roménia, eu quero expressar a minha solidariedade aos brasileiros e conto para vocês o que Brasil significa para mim. Para ser completemente honesto, sou totalmente oposto de tudo do Bolsonaro (particularmente por causa de elogio ele dá ao Brilhante Ustra, e a ameaça ele está ao ambiente). Mas isso não é sobre ele, e eu não tenho nada contra as pessoas que votaram nele...conheci algumas pessoas bem racionais que votaram nele só por que ele não é de PT.
Enfim, sobre Brasil. Cresci na Australia, num familia da Irelanda. A partir da idade de 14 comeci passear muito tempo numa familia brasileira por causa do meu melhor amigo. Australia é um país bem multi-cultural..uma coisa adore sobre esse país. Ainda me-lembro o meu primeiro prato da feijoada (o que é esse mistura turva delícia?)..também me-lembro a primeira vez nos roubamos uma garrafa de cachaça do pai dele (o que é essa garrafa estranha importada?). Alem da comida e bebidas, o calor e carinho da familia era sempre uma coisa diferente da minha familia reservada.
Sou um nerd da música e a música do Brasil se-tornou uma coisa muito important para mim. Depois de eu escutei Madlib (DJ) falando sobre samples ele usa do Brasil, eu caiu em uma obsessão. Tim Maia, Caetano, Gilberto, Novos Baianos, Milton, Gal Costa, Mutantes etc etc. Aindo ouço eles todos os meus dias.
Acho que como muitas países estrangeiras, eu sera capaz de descobrir Brasil pelo arte. Quando decide aprender Português comeci a ler os livros famosos do Brasil. Amado, Graciliano Ramos etc. "A Hora da Estrela" talvez seja o meu livro preferido no mundo. Depois de um ano estudando, decidi visitar o Brasil. Fui para Bahia, Pernambouco, Manaus, Minas, Rio & S.P. Me-apaixonei pelo nordeste em particular. Tanto que retornei a viver por alguns 8 meses no Recife. Enquanto viva lá, vi mais profundamente os problemas cotidianas que o povo enfrentam. Além disso, mais uma vez, o calor dos brasileiros me-comoveu tantas vezes. Não existe palavras suficientes para explicar como amigável um estranho pode ser no Brasil.
Enfim, Brasil. Voce é um país tão lindo como triste. As vezes não acho que ninguém de nos sabemos a sua profundidade. Espero que tudo vai dar certo.
Desculpa peloes erros no Português e a duração
submitted by KGeedora to brasil [link] [comments]


2018.10.28 00:48 clever_and_shy Como um adepto da filosofia liberal, não tenho opções a não ser anular meu voto amanhã.

"Uma voz sem voz"
Nós, brasileiros, estamos testemunhando um momento sócio-político-econômico ímpar em nossa história. Poucos são os momentos em que estes três componentes se demonstram em crises tão claras, é evidente que estão correlacionados diretamente e que há efeito de causalidade em suas constatações. Ainda assim, dificilmente os três entram em colapso de maneira fundamentalmente simultânea. Em primeiro lugar, nossa desilusão política não é recente, testemunhamos a pouquíssimo tempo atrás (na bela e longa medida da História) um regime ditatorial que não só feriu nossa democracia, como também a destruiu por quase completo. Passamos por dois impedimentos presidenciais em um espaço definitivamente curto de tempo (ambos com suas justificações próprias e que, apesar de que podem ser questionados, indiscutivelmente não são ataques diretos à democracia) e por manifestações a pouco mais de cinco anos atrás que só podem ser definidas pelo seguinte trecho da música “Um Só” (Tribalistas):
“Somos comunistas E capitalistas Somos anarquistas Somos o patrão Somos a justiça Somos o ladrão Somos da quadrilha Viva São João Somos todos eles Da ralé, da realeza Somos um só Um só”
A união mais latente dentre estes diferentes (e muitas vezes opostos) grupos foi motivada por uma única questão: o desespero e completa desilusão com o funcionamento (ou falta dele) de nosso aparato governamental. Entra aqui a minha primeira crítica ao que representa a eleição de Fernando Haddad: o mantimento do completo desamparo à coisa pública, às instituições e, de certa forma, à própria democracia. Desamparo este confirmado por declarações como a do conhecido José Dirceu (“é questão de tempo para a gente tomar o poder”) ou do deputado Wadih Damous (sobre o STF). Não só isso, mas a própria corrupção generalizada que tanto marcou nossas últimas duas décadas, com os esquemas de corrupção descobertos, foi fugaz determinante da balbúrdia política a que estamos sujeitos. A inegável realidade é que foi o Partido dos Trabalhadores, com suas realizações positivas e negativas, quem governou o país durante o período em que foi acentuada de maneira irrestrita o que chamarei aqui de “desilusão total”. Isto me leva à segunda questão, tão importante quanto a primeira citada ou a terceira por vir: a economia. As políticas econômicas de cunho heterodoxo e, honestamente, sem qualquer sentido empregadas sobretudo após o primeiro mandato do ex-presidente (e agora presidiário) Lula moldaram não só a crise em que vivemos, como fizeram com que esta alcançasse patamares altíssimos. Os incentivos desmedidos e completamente injustificados da Nova Matriz Econômica resultaram em um desastre que contribuiu imensamente à desilusão total. Ocorre que a própria população vê no status-quo estadista um ente econômico incapaz de exercer seu papel, o que contribui de forma ainda mais clara para o evento que tento tanto aqui destacar.
O desastre econômico me leva, obviamente, à questão social: é evidente que não só a inflação preocupante, como o desemprego exacerbado, consequências do já citado descompasso econômico, afligem diretamente as camadas sociais (sobretudo as mais pobres) e incentivam, por exemplo, a violência crescente nos centros urbanos. Por mais que tente ser o mais cauteloso possível ao falar sobre o lamentável momento histórico que utilizarei, o paralelo com a República de Weimar é claro e pode ser explicado com duas palavras: desilusão total. Com a própria ordem política após o que ficara marcado como “entreguismo” derrotista após a Grande Guerra, com o revanchismo contra as instituições internacionais, por conta de Versalhes, com a própria democracia, imposta, e com a economia descontrolada. Em momentos assim, é natural (e muito infeliz) que pensamentos radicais (de todos os lados) cresçam em importância política. Antes de falar sobre isso, é importante ressaltar que o Partido dos Trabalhadores tem papel indispensável na situação de calamidade que vivemos. Com isso, constituem um claro e irreparável dano à democracia e à ordem pública. Ameaça que evidentemente se destaca no imaginário popular com questões como as declarações amenizando regimes como a Venezuela por parte de integrantes do partido.
Com isso em mente, surge uma questão, a qual me fiz durante um breve período de reflexão: seria, portanto, Jair Bolsonaro, um voto a favor da democracia e do apreço pela coisa pública? Seria ele uma opção viável, mesmo que não admirável, de escolha? A resposta para ambas as questões é: evidente que não. Assim como Fernando Haddad carrega consigo um absurdo político, uma multidão de pessoas que se apegam ao outro lado da desilusão total (que logo conceituarei) e optam pelo candidato petista, Jair Bolsonaro representa tudo o que há de errado com o Brasil atual. Um político que em mais de vinte anos como deputado federal se destacou por eleger filhos, bater boca com outros parlamentares e protagonizar momentos lamentáveis já seria suficiente para uma desconfiança, ainda que plenamente dentro do espectro democrático. Jair Bolsonaro, infelizmente, não é só isso (e antes fosse, gostaria de dizer). Estamos aqui nos referindo a um homem que não só já se demonstrou claramente adepto da tortura como instrumento político, como definiu em seu livro de cabeceira “A Verdade Sufocada”, de Carlos Alberto Brilhante Ulstra, um homem que certamente está (e assim espero) nesse momento sentado, em dor, no “colo do capeta” ao lado de figuras lamentáveis de nossa história como Hitler, Stalin, Pinochet e Mao. Aqui cabe um adendo: acho, inclusive, que uma das razões mais bonitas para que se acredite em céu e inferno é justamente a possibilidade de pensar que nesse exato momento Adolf Hitler, Himmler e Goring estão em sofrimento eterno. Retornando, Jair Bolsonaro representa em igual escala (comparado ao seu adversário eleitoral) uma ameaça intransponível à democracia quando, por exemplo, é despudorado ao ponto de dizer que agrediria dois homens, caso estes estivessem se beijando. Também quando, em momentos antigos, se disse favorável ao Golpe Militar de 1964 e falou em fechar o Congresso, quando ano passado se referiu ao quilombolas (“... o afrodescendente mais leve lá pesava 7 arrobas. Não fazem nada! Eu acho que nem para procriadores servem mais...”), ou quando seu filho, na última semana, falou em fechar o STF (em atitude igual à do deputado petista). Demonstra completo desrespeito à máquina democrática quando não só questiona uma possível derrota eleitoral, como também fala em reação caso esta ocorra. Quando fala em, literalmente, fuzilar a oposição, em uma atitude que lembra Che Guevara. Para que eu não precise me alongar diretamente, segue uma lista de frases proferidas por este “homem”, reunidas (com fontes) pelo site Pragmatismo Político: https://www.pragmatismopolitico.com.b…/as-10-frases-mais-…
Outro assunto que aqui merece destaque é a economia. Seria Jair Bolsonaro uma opção econômica a se considerar? A resposta é a mesma do que a das perguntas feitas anteriormente. Sou um liberal convicto, contemplo os aspectos do liberalismo em todas as suas óticas (ética, política e econômica) e ainda assim nutro de completo repúdio ao presidenciável também nesse contexto. Em primeiro lugar, Paulo Guedes não é um economista de primeira categoria como Gustavo Franco, Lara Resende, Pérsio Arida, Marcos Lisboa, etc. É um economista razoável. Em segundo lugar, Jair Bolsonaro já demonstrou claros conflitos com seu “guru” (termo muito infeliz) econômico e não parece verdadeiramente disposto às reformas liberais que necessitamos. Ele é um nacionalista, como o próprio se diz, e já foi responsável por declarações de cunho claramente desenvolvimentistas.
Assim, o medo, completamente justificado, com o futuro de nosso país em um possível (e cada vez mais provável) governo Bolsonaro estimula igualmente a desilusão total e faz com que alguns decidam migrar para o mesmo Partido dos Trabalhadores que tanto contribuiu para estarmos na situação em que vivemos hoje. Mais uma vez, o medo a um novo governo que mantenha todo o descaso à coisa pública, simbolizado pela candidatura de Fernando Haddad gera o mesmo efeito de deslocamento, dessa vez para o mesmo parlamentar que durante todo este tempo recebeu verba pública para a cada frase proferida nos fazer lamentar cada vez mais o estado de humanidade em que nos encontramos. Todos os argumentos por mim citados aqui, selecionados de forma específica para evitar que o número de páginas alcance as dezenas, fazem com que a escolha de qualquer um dos lados se torne completamente impossível. Tenho ojeriza ética, política e econômica para com ambos os candidatos, na ótica liberal. Tenho, também, repúdio completo à condução sócio-política-econômica dos dois presidenciáveis. Meu voto é branco (ou nulo, pouco faz diferença para a mensagem que quero passar). Sem arrependimento. Não há espaço para abraçar a polarização fruto dos dois movimentos políticos mais lamentáveis da história recente de nosso país e nem sequer possibilidade de decidir arriscar um voto que tem de escolher entre seis e meia dúzia. Lamento profundamente o momento em que estamos. Lamento profundamente a eleição de domingo. Mas, de todos os meus lamentos, nenhum é tão grande quanto o para com o futuro do Brasil.
Agradeço pela atenção e leitura desta declaração de um liberal completamente desamparado. De uma voz política sem voz eleitoral.
submitted by clever_and_shy to brasil [link] [comments]


2018.02.21 16:51 rubensheik Sea of Thieves é um jogo muito especial e merece sua atenção

Não é todo game que encanta e surpreende!
Sea of Thieves não é um joguinho de piratas infantilizado, se trata é uma experiência única, um momento compartilhado entre você, o seu navio, o mundo ao seu redor e outros jogadores. O vento que sopra vem da direção noroeste, devemos ajustar as velas camaradas, caso contrário perderemos velocidade! Pronto capitão, estamos a toda velocidade (o barco sente a força do vento e salta mais bruscamente sobre as ondas) Soltem a âncora, rápido, ou bateremos naqueles rochedos! Nãaaaaaaaao, demorou demais marinheiro, a colisão é inevitável aaaaaaahhh!! (o impacto que fere o casco do navio, machuca-nos por dentro de igual maneira), sem problemas rapazes, reparem o navio e sigamos em frente!
Um chamado para a batalha
Do alto do mastro do navio, ouve-se o som de um sino, que toca repetidas vezes, então um marujo grita: NAVIO A VISTA CAPITÃO! A resposta é imediata: Assumam a posição de combate! Ajustem as velas, vamos a toda! Começa a perseguição, o vento está contra nós, porém há rochedos a frente, eles terão que reduzir a velocidade para desviar, o confronto é certo! Devemos nos aproximar pela lateral, faremos assim, dois marujos farão a abordagem e dois ficarão a cargo dos canhões, DISPARAR! Enquanto nós os distraíamos com balas de canhões no convés, nossos marujos sorrateiramente invadiam pelo lado oposto, os surpreendendo por trás, em menos de 10 minutos o navio inimigo já estava afundando, tudo ocorreu como planejado. Peguem os espólios marujos, a vitória neste dia foi nossa!
Um novo mapa, uma nova aventura
Camaradas, nossa viagem é longa, a ilha fica do outro lado do mundo, o nosso tesouro nos aguarda, vamos adiante! Desta vez o vento sopra ao nosso favor, nossa imponente caravela rasga os oceanos de tons azuis brilhantes, sem nenhum temor, observamos uma tempestade a bombordo, está distante, mas sentimos sua intensidade e poder, os raios cortam os céus em um espetáculo da natureza, as nuvens cinzentas e escuras revelam beleza na simplicidade das cores, porém admiração na complexidade dos detalhes.
A viagem é cansativa, então um marujo decide começar a tocar uma melodia utilizando o seu acordeon, a música é perfeita para aquele momento, é animada e inspiradora, logo outro marujo começa a acompanhar a mesma música utilizando um outro instrumento, a sincronia é perfeita, o que era apenas um som, tornam-se vários! Outro não contém a animação e começa a dançar no convés, a festa está feita, mal vemos o tempo passar, nosso destino está perto!
A ilha do tesouro
Soltem a âncora! Vamos atracar aqui, camaradas vamos em busca do tesouro. Saltamos todos juntos do navio, e decidimos ir nadando até a ilha, logo ao saltar do navio, sentimos a imponência e ira do oceano, ondas nos elevam a mais de 5 metros de altura, por sorte somos piratas e bons nadadores, ao observamos o oceano por baixo d'água, não conseguimos ver o fundo, é possível ver cardumes que seguem o seu rumo, seguimos em frente até a ilha, o medo neste momento é de se encontrar um tubarão, nós tivemos sorte desta vez.
Na areia é branca da praia, somos recepcionados por esqueletos de outrora talvez, piratas que se aventuraram por aquelas bandas e por lá pereceram, hoje servem como guardiões daquelas terras, são criaturas de puro osso, porém que brandem espadas e disparam armas de fogo, porém não são páreos para nós, este obstáculo foi fácil, difícil mesmo é desvendar o enigma que abriga o local do tesouro:
Onde o sol ilumina na mais profunda escuridão, uma batalha o aguarda
A quinze passos ao sul dali
Um tesouro se resguarda
Deduzimos que está em uma caverna, vamos sem demora em busca do nosso tesouro, há uma caverna bem no meio da ilha, seguimos todos juntos, portando nossas lamparinas que traziam luz para toda aquela escuridão, encontramos mais esqueletos pelos caminhos apertados da caverna que mais parecia um labirinto, até que encontramos o local descrito pelo enigma, o sol iluminava aquela parte através de uma fenda na caverna, derrotamos os inimigos e caminhamos quinze passos até nosso tesouro, alguns movimentos com a pá são suficientes para revelar a arca, perfeito, é nosso, conseguimos! Vamos retornar ao navio. Vários inimigos se mostram durante o retorno, preciso ser escoltado, não posso me defender enquanto carrego o tesouro. Os marujos lutam bravamente, porém dois não conseguem chegar a praia, lutaram bravamente. Ao entrarmos na água, o tubarão resolve aparecer, alguém precisa ficar e lutar, apenas eu consigo voltar para o navio, estou com o tesouro, eles não morreram em vão.
Vale a pena
Toda esta experiência que vos conto, presenciei em mais ou menos três horas de jogo. Participei desta última BETA que foi disponibilizada no último sábado, o jogo não está 100% e existem alguns bugs, muitas outras funcionalidades ainda serão adicionadas, mas se fosse lançado como está, eu sem dúvidas compraria, porque é incrível, é uma obra prima.
É um trabalho feito para todas as idades, basta ter imaginação, o resto deixa por conta do game. Explore com os seus amigos (ou pessoas desconhecidas), batalhe ou apenas contemple a natureza, os mistérios dos oceanos e criaturas que lá habitam, encontre ilhas e seus tesouros escondidos.
Sea of Thieves é um jogo caro, mas feito para todos. Se puderem, embarquem nesta jornada, não se arrependerão.
submitted by rubensheik to gamesEcultura [link] [comments]


2018.02.21 09:18 QuintoImperio Um dia ia eu a andar na rua quando vejo um carro a vir na minha direcção. Um bruto Mercedes...

Um dia ia eu a andar na rua quando vejo um carro a vir na minha direcção. Um bruto Mercedes, preto, todo brilhante, vidros fumados. De repente o carro para e no lugar do passageiro abre-se um vidro. Qual o meu espanto quando vi que quem lá estava dentro era o Quim Barreiros. "Então rapaz, ora viva!" - saudou-me ele com entusiasmo. "Oh senhor Quim, por esta é que eu não estava à espera. Sou um grande fã seu e da sua música" - disse eu, sendo que de imediato fui prontamente interrompido por ele. "Olha lá, queres ir comigo a Londres? Vou dar um concerto privado à Rainha de Inglaterra a seguir ao jantar e fazias-me companhia, escuso eu de ter de ligar a televisão para não me sentir sozinho". Eu nem queria acreditar. "Claro que sim, senhor Quim. Deixe-me só então ir a casa da minha avó para a avisar que não conte comigo para o jantar para ela não fazer empadão a mais e depois é chato eu não aparecer e sobrar" - respondi eu. E em seguida, nunca mais me vou esquecer na vida, com estas exactas palavras ele perguntou: "É verdade, frio não tem graça. Olha lá, a tua avó é uma senhora assim e assim que mora ali?". Fiquei completamente perplexo. P-E-R-P-L-E-X-O. "É essa mesmo, como adivinhou senhor Quim?" - perguntei eu muito espantado. "Ah, nada. Tenho um primo que vive aqui na Ramada. Não te preocupes com isso. Ele depois dá-lhe o recado" - tranquilizou-me ele.
Entrei de imediato no carro e fomos para Figo Maduro onde nos esperava um jacto privado daqueles em que eu só tinha visto até então nos filmes americanos. Era um sonho que eu estava a viver. Foi uma viagem animada. Apesar de ser uma estrela, o Quim Barreiros tem os pés no chão e a fama nunca lhe subiu à cabeça. Contou-me muitas histórias do mundo da música que ele viveu, umas marotas, outras não, as quais, por sigilo e respeito ao Quim, eu não as vou revelar aqui como é óbvio. Ah, e bebemos um licor oriundo da terra do Quim enquanto voávamos e durante o qual ele dava também uns toques para mim no acordeão da música da Édith Piaf, La vie en rose.
Chegados a Londres e ao aeroporto de Heathrow, estava o motorista da rainha à nossa espera. Um senhor todo bem vestido. Prontamente quis levar o acordeão do Quim que de imediato disse: "Não, não. No meu instrumento não tocas tu. Era o que faltava". Pediu mil desculpas e apressou-se a abrir a porta ao Quim Barreiros mas ele de imediato fez sinal com a mão e mandou-me entrar. "Primeiro, a canalha" - disse ele ao motorista. Mais uma vez o senhor Quim a mostrar uma elegância, respeito e cavalheirismo para comigo. Uma coisa curiosa, nunca tinha andado num carro onde o motorista tinha o volante à direita como nos filmes do James Bond. Até aqui tive a sorte de conhecer o Quim Barreiros.
Daí até ao Palácio de Buckingham foi um saltinho. O Quim estava entusiasmado e eu também. Nem parecia que ia cantar e tocar para a Rainha de Inglaterra, tal era a calma que transparecia. "São muitos anos a virar frangos" - segredou-me ele.
Já no palácio e depois de estacionar o carro, vem o mordomo da rainha abrir a porta do carro ao Quim. Mais uma vez ele não deixou abrir a porta, fazendo cara feia ao mordomo e apontando para o meu lado. "Estes ingleses não percebem patavina de etiqueta, chiça" - disse o Quim Barreiros um pouco irritado. Em seguida, também este lhe tentou levar o acordeão. "Olha-me outro a querer mexer no meu instrumento. Nem penses". O mordomo pediu imensa desculpa. Já dentro do palácio, o mordomo levou-nos para uma salinha. Tal é o meu espanto quando abre a porta e estavam lá os Rolling Stones. Não queria acreditar. Belisquei-me para saber que não estava a sonhar. Iam abrir o espectáculo do Quim Barreiros para a rainha. Lá estava o Mick Jagger, com umas calças de licra roxas e uma camisa de alsas amarela enrolada até a cima que mais parecia um soutien de mulher. O Keith Richards elegantemente vestido com um smoking e um laçarote ao pescoço e o Ron Wood com um estilo casual-chic mas que se via que não era comprado na Zara. Já o Charlie Watts vestia uns calções e uma t-shirt com um desenho de uma palmeira que dizia Benidorm.
Ao entrarmos, o Quim e o Mick cumprimentaram-se friamente e com palavras secas. Soube mais tarde que eram muito amigos e há muito tempo mas tinham existido desavenças entre os dois por causa de uma miúda que se meteu entre eles e a coisa nunca ficou bem resolvida. Ainda o Quim Barreiros estava a cumprimentar os restantes elementos da banda quando irrompe a Rainha de Inglaterra, com uma bata branca, uma roupa de trazer por casa. Afinal de contas e para todos os efeitos, ela estava na casa dela. Fazemos todos uma fila e a rainha cumprimenta-nos um a um, só que quando chega a vez do Quim, nervoso por causa do momento, ele engana-se e diz "é uma honra, Sôtora" quando queria dizer "Sua Majestade". O Mick riu-se com um ar gozão como se estivesse engasgado e a cuspir um ou dois cereais. Mas palavra seja dita, o Quim Barreiros aguentou-se forte apesar do seu lapso e de um saquinho de plástico que trazia com ele na viagem, tirou um frasco de Mokambo que ofereceu à rainha. "És sempre o mesmo doce de pessoa, oh Quim. Tantos anos e nunca te esqueces de mim e daquilo que eu gosto" - disse comovida Sua Alteza, a Rainha de Inglaterra Isabel II. O Mick Jagger aí ficou vermelho de raiva. No entanto a rainha continuou: "Peço mil desculpas mas o concerto para hoje terá de ficar para outra altura. O meu neto vai ter amanhã um teste de Ciências da Natureza e só agora me disse. E eu tenho de lhe ensinar a matéria para ele tirar positiva". "Ora essa, não tem problema, primeiro vêm os deveres da escola" - retorquiu logo o Quim Barreiros e todos os membros dos Rolling Stones concordaram, fazendo o gesto com a cabeça.
"Mas fiquem aqui. Ao menos comam antes para não irem de estômago vazio. Encomendei uns quantos frangos assados ali da churrasqueira para o nosso jantar e se não se comer aquilo, depois amanhã, frio, já não tem graça nenhuma" - disse a rainha. E o que a rainha diz, é uma ordem. Sentamo-nos depois na sala de jantar, serviram-nos o frango com batatas fritas de pacote e o Mick vira-se para o Quim e diz-lhe: "Olha para esta música que eu inventei", sacando da sua harmónica que tinha no bolso das calças e que eu pensei erradamente que era o volume do seu pénis quando o vi à chegada. De imediato bufou uns acordes na sua gaita de beiços enquanto cantarolava o "Chupa Teresa". "Epa, já me fodeu este cabrão. Já está, roubou-me a música" - exclamou para mim o Quim visivelmente irritado mas num tom baixo sem levantar alarido. "O que foi, senhor Quim?" - perguntei eu assustado. "É a minha música mas caramba, eles são os Rolling Stones. Eles fazem tudo o que querem. Se eles lançam isto em disco ninguém vai acreditar que fui eu que fiz esta música há muitos anos" - respondeu ele. "Mas essa música saiu em 1992 no álbum com o mesmo nome. Como alguém iria acreditar neles quando o senhor Quim já o lançou?" - perguntei eu inocentemente de seguida. "Eles conseguem lavar o cérebro às pessoas com as músicas nos álbuns deles. É como se fosse o canto de uma sereia. Fazem isso há muitos anos com músicas de outros artistas. Todo o sucesso deles é uma farsa. Por exemplo, um dos maiores êxitos deles era uma música do Miguel Ângelo dos Delfins que o lançou num disco na década de 80 mas que depois os açambarcaram. E mesmo com isso, os créditos são dados todos aos Rolling Stones e o próprio Miguel Ângelo e os Delfins sofreram essa lavagem cerebral e não sabem que foram eles. Foi o próprio Mick Jagger que me contou isto durante umas férias que passamos juntos em Olhão" - esclareceu o Quim Barreiros. Ainda estava o Quim a contar-me isto quando o Keith Richards, já todo bêbado, começa a balbuciar o refrão da música ao ouvido do Quim "Na-na-nesa, na-na-nesa" caíndo depois da cadeira para o chão. "Ele está bem, não se preocupem" - disse o Mick com um ar despreocupado. O Ron e o Charlie assim não o entenderam e levantaram-se dos seus lugares no lado oposto da mesa para irem ajudar o beberrolas.
Esta foi a gota de água. O Quim Barreiros aguentou o gozo do Mick Jagger durante o beija-mão à rainha, o roubo da música e todas as tentativas de desestabilização ao artista mas não aguentou este à vontade e desrespeito do Mick perante o seu colega de banda que caíra inanimado. Levantou-se de imediato e de repente pregou um valente e estrondoso peido que ecoou por toda a sala de jantar do Palácio de Buckingham. O pior veio depois. Um cheiro nauseabundo e putrefacto que nos deixou atordoados. "Foi da sopa de nabiças e hortaliças da terra que comi ao almoço" - dizia alto e em bom som o Quim enquanto se ria que nem um perdido. Eu que ao início também não achei muita piada ao traque mal cheiroso do Quim, me ri. O Mick, o Ron e o Charlie seguiram as minhas gargalhadas e até o Keith acordou e se riu um pouco, desmaiando em seguida novamente porque tinha muita bebida dentro dele.
Enquanto nos ríamos, alguém de repente abre as portas da sala de jantar à pressa para saber o que tinha acontecido, tal estrondoso tinha sido a flatulência do Quim Barreiros. Meus senhores, espantem-se, era a Jennifer Lawrence. Também estava no palácio. "Primeiros" - grita logo o Quim. O Mick atira o guardanapo ao chão visivelmente chateado. "Não fui rápido. Perdi esta" - admitiu o Mick Jagger resignado mas com desportivismo. O Quim Barreiros levanta-se da mesa à pressa e dá o braço à Jennifer Lawrence. Ela ficou toda derretida por ele. Aquele homem sabe da poda. De como as arrebatar. No entanto, sempre um cavalheiro. Nunca ordinário. "Já cá canta, já cá canta" - diz-me ele entusiasmado, perguntando-lhe de seguida como ia eu para casa, visto que ele ia fazer o amor a noite toda com a bela actriz americana num qualquer hotel da capital inglesa. "Fala com o Mick miúdo, ele é boa pessoa, uma das melhores que conheci até hoje e olha que conheci muitas e ele trata do teu assunto" - responde-me o Senhor Quim já quando ia a sair com a loira. E foi verdade. O Mick tratou-me.
submitted by QuintoImperio to PastaPortuguesa [link] [comments]


2017.09.11 11:00 deuszebu Confiança & Arrependimento [Nine-Nine] Mais Uma Vez

Nasci em 91. Tenho uma família arcaica, assim como a maioria das pessoas de idade avançada do interior onde moro. Não os culpo por isso, uma vez que se reflete na falta de instrução dos mesmos. Desde criança, gostei muito de jogar e, naturalmente, meu PC tem sido meu melhor amigo desde então. Durante anos me envolvi com jogos de interpretação de papéis (RPG) e, pra mim, essa era uma proposta perfeita para a fuga da realidade. Uma vez imerso em tais aventuras, fiz alguns amigos virtuais. Eram eles transeuntes, os quais marcavam bons momentos e apenas se iam, sem despedidas. Já não tenho contato com quase nenhum destes.
Interpretar papel é algo que faço bem, as vezes, inclusive, me perco de quem sou ou deveria ser, segundo o que espera-se da minha pessoa. Nunca enxerguei a vida real com um real brilho nos olhos, tive bons amigos, com os quais me diverti bastante, com ou sem drogas envolvidas, mas até então não havia nenhuma conexão com alguém que eu considere tão admirável quanto os personagens que eu mesmo interpretara em tais aventuras. Eis que surge em minha vida um elemento conhecido pelo vulgo Bruxo. Em primeira instância não tinhamos importância alguma um pro outro e, durante anos, nos viamos ocasionalmente e não nos falávamos muito. Sua presença geralmente era aguardada por muitos, se não todos e, onde quer que estivesse, se fazia atração.
Pelo pouco que pude observar, era nítido o seu poder de retórica, enquanto eu, por minha vez, era extremamente introspectivo e imerso em minha mente. O silêncio não me incomodava a mim, talvez sim aos que estivessem ao meu redor. A partir do momento que fui alertado sobre ser tão calado, passei a me sentir um tanto quanto um espião e, de certo modo, evitei estar em locais onde a minha presença não era uma necessidade. Meu primeiro contrato com o Bruxo foi um celular o qual ele me vendeu num valor bem barato e me fez acreditar que eu era alguém especial para ele, segundo seu diálogo envolvente. O mesmo me alertou para não comentar sobre a aquisição com as pessoas em comum ao nosso meio, que se resumia à cerca de umas vinte pessoas, na época.
A partir desse momento, me senti em débito de fidelidade com o mesmo e, gradualmente, acabei me afastando da maioria dessas pessoas do nosso ciclo. Eram todas elas, aparentemente, de ótima índole e algumas já haviam me avisado sobre quão tóxico ele poderia ser. O Bruxo já me causara dúvida em relação à raiz fundamental de suas atitudes. Por outro lado, sua habilidade de omitir o que importa e ludibriar, ao falar o que importa aos ouvidos alheios, me fascinava e eu invejava tamanha eloquência e perspicácia. Vendo em mim um devoto seguidor, o solitário lobo abriu uma vaga na sua carruagem para que eu embarcasse em algumas aventuras com ele. Desde então, tornamo-nos cúmplices em várias peripécias.
O tempo passou e eis que tivemos nosso primeiro conflito em relação à confiança cega. Conheci a cocaína através dele e isso não chegou ser algo relevante, já que eu sabia que se trata de uma droga cara e eu, vindo de família humilde, sabia que não podia me dar o luxo de usar uma química capaz de elevar tanto o ego. Já ele, era viciado nessa maravilha em forma de pó. Em determinado momento de nossa trajetória, eu fui despedido do trabalho, sem seguro desemprego e recorri ao bruxo pra me defender em relação à essa grana que o patrão deveria ter me pago e o mesmo me auxiliou até que eu conseguisse vencer esse valor sem necessidade de recorrer à justiça.
Metade dessa quantia recebida me foi requisitada pelo bruxo, com a promessa de me retornar a o mesmo valor em pouco tempo. De pronto, aceitei, até porque eu fui até ele em primeiro lugar, caso contrário, eu iria me conformar em sair do trabalho de mãos atadas. Foi um conflito tenso entre eu e meu chefe, diga-se de passagem. Não bastando o débito, o bruxo me persuadiu a fazer um empréstimo com o banco através de meu crédito especial. Sacou tudo quanto foi possível, na promessa de retorno. Nunca vi a cor desse dinheiro de volta e a dívida se acumulou, já que meus pais também não tiveram condição de pagar. Quando conseguiram juntar uma grana pra não deixar meu nome ficar no SPC, os juros já tinham mais que dobrado. Não chegou aos cinco dígitos, mas já tinha caminhado meio caminho até lá.
Dívida à parte, ainda éramos cúmplices de aventuras e houve um episódio extremamente marcante pra mim, onde eu me envolvi com uma garota que conheci através de outra com quem eu já ficava. Era uma conexão rasa, para ambos, mas eis que o bruxo se envolve na cena e resolve propor que a gente vá estudar morar na casa dessa garota, que morava só. Ela era lésbica, a princípio, mas acabamos ficando e, posteriormente, percebi que ela não estava mais afim de mim e, aparentemente, estava bem suscetível ao bruxo. Me limitei a expressar tal frustração através de desenhos. Nunca fui de desenhar, mas parecia apropriadamente inspirado para isso.
Mais tarde, ainda nesse episódio da morada com a desconhecida, houveram alguns maus momentos entre nós e ele me ofereceu uma coca de boa procedência, a tal nine-nine. Não sei explicar se foi a química ou a situação e o ambiente, mas eu me senti muito mais afetado, dessa vez, com uma dose muito menor da que eu já havia experimentado outrora. Em um certo momento, tive uma discussão com ela e isso se tornou em uma agressão física da parte dela. Como calado não poderia ficar, sob efeito da bendita, eu apanhava sorrindo, de sangue quente e dentes trincados, então a retribuia com questões agressivas, sem me preocupar com o quanto aquilo estava por ferir a moral da mesma. Eu não faria isso de cara, já que ela era uns cinco anos mais nova que eu.
A situação melhorou quando o bruxo teve a brilhante ideia de ligar para a polícia e reportar agressão, antes disso, ele havia ligado pra minha casa e aviso à minha mãe para reunir tantas pessoas quanto fosse possível, pois eu estava impossível de ser contido e estaria chegando lá em breve. Os homens da lei chegaram, viram a bagunça na casa, eu havia quebrado uns ovos da geladeira pela casa, quando ele ligou. Madness. Ouviram-no por um curto período e já foi o suficiente pra me algemarem e me levarem até minha casa, o bruxo me acompanhou na viatura. Desci gritando "Socorro!", já que é o nome da minha mãe. Eu já estava num estado de espírito em que não me importava mais com quase nada, nem mesmo em desrespeitar as autoridades com tamanha ironia, de pedir socorro, colocando-os em posição de quem está a me por em perigo, quando na verdade deveriam representar o oposto.
Antes de me remover as algemas, o oficial me deu um mata leão dentro de casa, sob gritos de minha vó e apelo de vários presentes pra que ele parasse com aquilo. Segui como se nada tivesse acontecido e me dirigi ao meu quarto, tirei minha roupa e saí de lá nu, na vista de todos. Peguei minha toalha e tomei um banho gelado, sem pressa em parar de receber aquele jato frio na cabeça. De fato, eu sabia que precisava estar tão sóbrio quanto possível. Saí e dialoguei com todos os presentes, como se nada tivesse acontecido. Estavam todos espantadíssimos, com minha capacidade de estar tão na boa, ao invés de rastejando por perdão pelo incidente. Como haviam bem umas dez pessoas presentes, todas elas importantes, não souberam nem o que dizer, em relação à sermões. Ao menos tiveram respeito pela situação de crise que se apresentara.
Meu pai foi o primeiro a abrir a boca, tomou a cena aos berros de uma oração e fez da situação uma justificativa para dizer que havia em mim um demônio. Como sempre o vi como hipócrita, acreditei que ele tivesse fazendo aquilo pra me defender de uma degeneração maior. Eu dei atenção aos que eu realmente gosto. A partir daquele momento, passei a agir como um animal selvagem, sempre alerta e pronto pra agir, fazia apenas o que me apetecia e não me sentia mais como um ser domesticado. A história repercurtiu por toda minha família por parte de pai e mãe, pseudointelectuais e ovelhas de cristo, respectivamente. Neste caso, não sei o que é pior, o conhecimento e o desdém ou a ignorância e a misericórdia.
Me afastei do bruxo, isso havia sido explicitamente deixado claro pelos meus pais desde o momento em que pagaram a dívida que o mesmo deixou sob meus ombros e eu ignorara. Passei a frequentar psicólogos e psiquiatras do CAPS e particulares, a fim de satisfazer meus pais, que tentavam descobrir o que havia de errado comigo. Todos diagnósticos explicitavam que eu estava são e bem consciente sobre tudo que aconteceu e eu sabia disso, assim como sabia que eles não aceitavam aquela atitude vinda de mim, o que me fez acreditar que eu poderia ter borderline. Foi uma fase complicada, me afastei de todos contatos possíveis. Todos! Desenvolvi um certo pânico, derivado da superproteção, em que eu sentia que estava sendo perseguido e que as pessoas as quais eu me considerava próximas poderiam estar em perigo. Cheguei a interpretar mensagens subliminares pra mim, na TV.
Passaram-se alguns anos e o bruxo apareceu novamente. Se aproximou aos poucos e, de repente, estávamos juntos em missões suicidas novamente. Narrando essa história, me sinto na posição daquele ser imbecil dos filmes de suspense, que sabe que vai dar merda se continuar e, mesmo assim, segue rumo ao perigo. De algum modo, ele foi a única pessoa que me entendeu, até hoje. Por mais escroto que o mesmo tenha sido comigo, eu não conseguia vê-lo como um inimigo e, mais uma vez, abri a guarda. Seguimos uma nova fase da aventura em que ele viera morar num bairro próximo de onde eu moro, com uma namorada a qual ele não ama, nem mesmo dizia ter relações e ainda dizia que se eu ficasse com ela, que era um alívio pra ele.
Várias coisas altamente insanas aconteceram. Pela primeira vez eu tinha um pico legalize pra dar um dois, beber sem me preocupar sobre onde cair morto e também dava pra levar umas parceiras. Como é de se esperar, nem tudo são flores. Eu estava à caminho do bruxo, às três da manhã, para entregar a ele uns cartões de sua namorada. Por fruto de um acaso infeliz e de um ser infernal de má índole atrás do volante, aconteceu um acidente comigo e eu quase morri. Por incrível que pareça, eu me preocupava mesmo era com minha moto, que fora destruída e estava sem seguro. Caí inconsciente e somente no outro dia fui saber o que estava acontecendo, foi quando meus pais souberam que novamente eu estava conectado com o ser o qual eles mais abominam em minha vida, chegam a dizer, com convicção, que ele é o demônio.
Levou um tempo até eu me recuperar do acidente e algumas sequelas seguem até hoje, mas eu ainda tinha contato com o abominável homem das neves do sertão. Eu sempre fui o rei da evasão, mas já tava ficando complicado inventar nome de pessoas pra justificar minhas saídas e dormidas fora. Quisera eu que houvesse uma cúmplice pra justificar como namorada, essa sorte não tive. Como se não bastasse tanta desgraça em minha vida, eu aceitei o pedido do bruxo em emprestar meu cartão de crédito ao bruxo e ele torrou mais quatro dígitos, na promessa de que ele pagaria nos meses seguintes. Ele pagou o mínimo da primeira, as restantes foram parceladas com altos juros.
Tenho passado maior perrengue pra pagar essa conta. Já fiz uma dívida alta com minha prima, pra pagar uma parcela a qual ele me deu o valor de pagar, depois pediu pra guardar e, quando pedi pra ele pegar, o mesmo disse que já havia me dado e que eu perdi. Eu tava certo de que nunca perderia uma alta quantia de dinheiro, mas acreditei no que havia me dito, já que negar também não ia dar em nada, já que não haviam provas. Atualmente, estou à uma semana com atraso na fatura do cartão e não tenho condição alguma de conseguir a grana. Hoje foi o dia que planejei contar à minha mãe sobre essa situação, na esperança de que ela pague e não me mate. O clima aqui em casa tem estado tão bom que a última coisa que eu queria fazer é estragar, mas é o preço que estou tendo que pagar, mais uma vez, pela confiança.
Não sei se posso afirmar se estou arrependido, nem sei se eu voltaria a ter contato com o bruxo. É sempre o mesmo drama mental e isso me consome como nada antes na vida. Um bônus delicioso nessa história é que na semana passada chegou uma cara em minha casa de cobrança do meu plano de saúde. Tal fatura o bruxo havia me dito pra emprestá-lo o valor de pagar e me tranquilizou dizendo que me daria o valor no início da semana, depois pediu o boleto e o restante do valor que eu tinha, afirmando que pagaria na lotérica no próximo dia útil. Bom, a cobrança já deixa bem claro que ele não teve consideração em honrar com sua palavra. Me sinto vítima de estelionato pela única pessoa que cheguei a considerar ser um amigo de verdade.
TL;DR: Confiei em um amigo único e o mesmo me causou arrependimento, ao me dar toco financeiro consecutivamente e, aparentemente, sem remorso.
Esse depoimento me faz lembrar da música Mais Uma Vez de Legião Urbana. Nela, o Renato Russo inicia com palavras que parecem levar luz aos corações desesperados e suicidas:
Mas é claro que o sol vai voltar amanhã Mais uma vez, eu sei Escuridão já vi pior, de endoidecer gente sã Espera que o sol já vem
Em seguida, ele completa com alertas que servem perfeitamente como desfecho pra essa tragédia narrada:
Tem gente que está do mesmo lado que você Mas deveria estar do lado de lá Tem gente que machuca os outros Tem gente que não sabe amar Tem gente enganando a gente Veja a nossa vida como está Mas eu sei que um dia a gente aprende Se você quiser alguém em quem confiar Confie em si mesmo Quem acredita sempre alcança!
E quando você pensa que não tem mais saída, que tudo que foi vivido foi um erro, vem o conselho final:
Nunca deixe que lhe digam que não vale a pena Acreditar no sonho que se tem Ou que seus planos nunca vão dar certo Ou que você nunca vai ser alguém
E é com a letra dessa linda música, que tanto marcou minha adolescência, mas só agora parece fazer sentido visceral, que me despeço de vocês.
Salaam Aleikum ^-^
submitted by deuszebu to brasil [link] [comments]


2016.02.25 16:16 veribaka [Blog] Análise ao Paços de Ferreira vs Benfica - Liga NOS (Eu Visto de Vermelho e Branco)

Poucos dias depois da vitória sobre o Zenit para a Liga dos Campeões, o Benfica deslocou-se à capital do móvel para defrontar o Paços de Ferreira. Rui Vitória fez apenas uma alteração na equipa titular, já que Gaitán estava lesionado e não podia dar o seu contributo, entrando Carcela para o seu lugar. Júlio César, André Almeida, Victor Lindelöf, Jardel, Eliseu, Samaris, Renato Sanches, Pizzi, Carcela, Jonas e Mitroglou. O nosso 11 inicial para defrontar os castores.
Não entrámos muito bem no jogo. Nos primeiros minutos falhámos muitos passes, perdendo assim muitas bolas. Havia pouco espaço para jogar, já que o Paços se fechava bem e depois era agressivo na pressão quando a bola entrava em determinadas zonas do campo. Pizzi estava muitas vezes em terrenos interiores, abrindo espaço para as subidas de André Almeida. Já Carcela estava mais aberto no seu corredor.
Na primeira vez que chegamos à baliza adversária, fazemos golo. Bola jogada de Carcela para Jonas, tendo depois o avançado brasileiro devolvido de forma brilhante a Carcela, que de uma forma estranha entrega em Mitroglou que faz o 0-1 aos 14 minutos.
Com o golo, o jogo não mudou muito, continua tudo mais ou menos igual, com o Benfica a ter mais bola e o Paços a continuar a pressionar quando a bola entrava no seu meio-campo, tentando depois partir em contra ataques muito rápidos. Renato Sanches depois de ganhar a segunda bola num canto a nosso favor, remata de longe com perigo, mas Rafael Defendi evita o golo.
Assim como aconteceu com o Benfica, o Paços de Ferreira marca na primeira vez que chega à nossa baliza. Jogada rápida de contra ataque e Diogo Jota com um grande trabalho a rematar para o fundo da baliza de Júlio César. Mais um golo no jogo e mais uma vez pouco ou nada mudou no que se via em campo. Num contra-ataque muito rápido, o Paços de Ferreira aparece com muita gente no ataque aos 28 minutos, perdendo-se depois a bola pela linha de fundo.
Íamos conseguindo ter bola, mas sem conseguir encontrar os caminhos para a baliza adversária, não criando uma única situação de golo. Os minutos passavam, o futebol era muito pouco e a intervalo estava quase a chegar.
Aos 43 minutos, recuperação de bola em zona alta do terreno por parte de Samaris, ficando Carcela com a posse, mas o extremo marroquino não consegue assistir Jonas ou Mitroglou, sendo a bola cortada para canto. Na sequência do canto, Victor Lindelöf aparece em boa posição mas o cabeceamento sai por cima da baliza.
No último lance da primeira parte, aparece o 1-2 no resultado. Jonas tem uma boa jogada na esquerda, entrando depois na área. O avançado brasileiro acaba por cair com um pequeno toque de um defesa e o árbitro assinala grande penalidade. Na conversão, Jonas não facilita e faz golo.
Não houve tempo para mais nada e o intervalo chegou com o resultado em 1-2.
Não foi uma grande exibição do Benfica nesta primeira parte. Raramente conseguimos encontrar espaços na defesa do Paços e criar lances de perigo. Apesar de algumas dinâmicas interessantes, principalmente dos dois médios ala - Pizzi e Carcela - não resultou muito daí. Ou por maus passes, ou más decisões ou por ser tudo feito de forma lenta. Renato voltou a estar mais recuado, assim como tinha acontecido com o Zenit, estando mais próximo de Samaris do que aconteceu em grande parte dos jogos nos últimos tempos. Falhámos muitos passes e perdemos muitas bolas nestes primeiros 45 minutos. Defensivamente, alguns problemas, principalmente no espaço entre a defesa e o meio-campo, onde vimos várias vezes espaços abertos que não podem acontecer. O que também não pode acontecer é aquele golo sofrido.
Júlio César podia e devia ter feito mais no golo sofrido, pois a bola entra quase ao meio da baliza. Eliseu não teve muito trabalho defensivamente e ofensivamente tentou subir várias vezes no seu corredor. Quer procurando o interior, quer dando largura. Não pode ser ultrapassado tão facilmente no lance do golo, assim como Victor Lindelöf. André Almeida teve muito trabalho perante Diogo Jota, tendo muitas vezes perdido os lances para o extremo adversário. Jardel e Victor Lindelöf, tirando o lance do golo, conseguiram resolver os lances que foram ali aparecendo, estando bem posicionados no campo. O defesa central sueco saiu muitas vezes a jogar com qualidade a partir de trás, ganhando metros na construção de jogo.
Samaris falhou muitos passes, como tem sido habitual. Vários desposicionamentos também, mas com o passar do tempo foi acertando mais os espaços a fechar. Renato não se viu tanto e tem estado mais recuado que o que era habitual. Pizzi e Carcela muito mexidos e com diferentes movimentos, tentando sempre darem soluções e agitar o jogo. Carcela sempre muito bem a reagir à perda da bola e ajuda muito a equipa nesse aspecto.
Jonas voltou a ter menos bola que o habitual e o Paços tentou sempre fechar os espaços onde ele costuma receber a bola. Mitroglou acabou por marcar um golo, mas também esteve algo escondido do jogo.
Rui Vitória não fez nenhuma alteração ao intervalo, fazendo entrar o mesmo 11 em campo. Até entrámos relativamente bem no segundo tempo. Muita bola em nosso poder, recuperar rápido depois de perder a posse e manter o Paços longe da baliza de Júlio César. Não criámos grande perigo, apesar de duas ou três idas à área contrária com bola, tentando mais conservar a posse de bola.
Aos 57 minutos, André Almeida sofre uma falta perto da linha. Pizzi bate o livre, Jardel ganha nas alturas e a bola vai ter com Victor Lindelöf que faz o 1-3. Pouco depois, boa jogada por parte do nosso ataque, mas Mitroglou remata ao lado depois de um grande passe de Jonas.
Depois do terceiro golo, demos mais bola ao Paços, baixando também a pressão. A equipa da casa foi conseguindo chegar perto da baliza de Júlio César, mas sem criar grande perigo. Aos 65 minutos, boa jogada do nosso ataque, mas Mitroglou acerta mal na bola e atira ao lado da baliza.
Rui Vitória mexe pela primeira vez na equipa aos 70 minutos, fazendo entrar Salvio para o lugar de Pizzi. O jogo ia-se pautando por muita luta a meio-campo, com muitas bolas perdidas por ambas as equipas e sem existirem lances de grande perigo. Salvio foi colocar-se na direita do ataque, procurando também estar várias vezes no interior para dar solução.
A segunda substituição na nossa equipa acontece aos 78 minutos, com a entrada de Nélson Semedo para o lugar de André Almeida. Depois de um passe de Mitroglou, Salvio está perto de marcar, mas o remate do extremo argentino acaba por sair um pouco ao lado do alvo. Aos 86 minutos, o Paços também cria algum perigo, mas Júlio César consegue defender a bola para canto. Um minuto depois, mais uma defesa de Júlio César, desta vez a um remate de fora da área por parte de Diogo Jota.
A última substituição no Benfica acontece aos 91 minutos, com a entrada de Raúl para o lugar de Mitroglou. No último lance do jogo, contra-ataque do Benfica em grande superioridade numérica, mas o lance acaba por ser invalidado por fora de jogo.
E foi com 1-3 no resultado que o jogo chegou ao fim dos 90 minutos.
Nesta segunda parte tentámos gerir mais o ritmo do jogo, que procurar o avolumar do resultado. Com o terceiro golo a aparecer tão cedo, ainda foi melhor para essa gestão. Tivemos algumas oportunidades para dilatar o resultado, mas não me parece que a preocupação fosse essa. Também fomos dando mais bola ao Paços, deixando que eles algumas vezes tomassem a iniciativa. Muita luta a meio-campo e vários ataques rápidos de ambas as equipas. Algumas falhas no fechar dos espaços no corredor central, como tem sido habitual na equipa. Pizzi ainda saiu mais vezes do seu corredor nos minutos que esteve em campo, o que trouxe algumas coisas boas ao nosso jogo ofensivo. As movimentações não foram muito diferentes das da primeira parte, mas existiu mais dinâmica e velocidade em diversos lances.
Júlio César nesta segunda parte disse presente quando foi chamado a intervir. André Almeida continuou com algumas dificuldades na marcação a Diogo Jota, aventurando-se depois algumas vezes no ataque. Eliseu já não subiu tanto nesta segunda parte, mas teve ali algumas distracções em manter a linha. Sobre os centrais não há muito a dizer, cumpriram sem grandes falhas. Samaris melhorou ao nível do passe - também não era difícil. A fechar os espaços, ele e Renato continuam a mostrar que há ali muito para ser trabalhado. Renato continuou como tinha sido na primeira parte. Agressivo quando está perto da bola para pressionar e muito passivo quando tem de se posicionar sem bola. Algumas arrancadas com bola, onde ele é mesmo muito bom.
Pizzi até sair continuou os seus movimentos interiores e a procurar diversos espaços do campo para receber. Carcela também não mudou muito da primeira para a segunda parte. Jonas continuou a procurar os espaços para ter bola, procurando várias vezes descair mais para um corredor, devido ao fechar do espaço central por parte do Paços. Mitroglou notou-se que estava algo cansado.
Salvio veio dar mais vertigem ao jogo do Benfica. Precisa de minutos para ganhar ritmo, pois está pesado. Nélson Semedo também precisa de minutos, já que André Almeida está suspenso na Liga dos Campeões. Talvez os minutos que devia ter, eram logo a começar do inicio dos jogos. Raúl não teve tempo para mostrar nada.
Não foi um grande jogo por parte do Benfica, mas acabou por ser uma boa vitória, num campo que costuma ser bem complicado de visitar. Não sei até que ponto a questão da febre nos jogadores que Rui Vitória falou, influenciou o rendimento de vários jogadores neste jogo, porque pesa sempre. Também jogou praticamente a mesma equipa que defrontou o Zenit na terça-feira e o cansaço também é um factor determinante.
Apesar da equipa ter estado próxima em muitos momentos, notaram-se os problemas defensivos de sempre na ocupação do espaço central do meio-campo e na transição defensiva. Muitas vezes, os jogadores do Paços a conseguirem estar entre linhas completamente sozinhos, com espaço entre a nossa defesa e meio-campo. Os médios afastados uns dos outros e a par, faltando também várias vezes as coberturas adequadas. Renato e Samaris têm muitos comportamentos incorrectos defensivamente, onde a equipa se desequilibra bastante. É algo que tem de ser corrigido. Na defesa, Victor Lindelöf mostrou muita confiança em sair a jogar e a controlar a profundidade, entendendo-se bem com Jardel na subida e descida no terreno. Acho o central sueco o oposto de Lisandro, pois tacticamente é forte, percebendo bem o jogo e os seus momentos, mas depois não é forte no um para um defensivo onde Lisandro é muito forte. Parece-me que Victor Lindelöf entende-se melhor com Jardel.
Ofensivamente, na primeira parte não tivemos muitos jogadores no bloco do Paços de Ferreira e isso trouxe dificuldades para conseguirmos penetrar nele. Pizzi esteve interior em muitos momentos, mas não desequilibrou muito. Depois, a lentidão de processos era muita e o Paços facilmente fechava os espaços. Rui Vitória voltou a dar menos liberdade a Renato Sanches, pois esteve de novo mais recuado que o normal, tentando assim fechar mais os espaços no meio-campo e a equipa estar mais prevenida defensivamente. Acho que perdemos mais do que ganhamos com esta opção.
Importante dar minutos a Salvio e a Nelsinho. São dois jogadores que podem ajudar muito besta parte final da época. Acho que Nelsinho já deveria ser o titular, com André Almeida a demonstrar muitas dificuldades para segurar Diogo Jota. Depois, ofensivamente, Nelsinho dará sempre mais que André Almeida, podendo explorar todo o espaço que Pizzi deixa no seu corredor. Penso que Renato deveria ter forçado o quinto amarelo e assim falhar o jogo com o União da Madeira, mas estando preparado para defrontar o Sporting. Eliseu forçou esse amarelo e não joga a próxima jornada. Acho que vai jogar Sílvio a titular, mas preferia ver Grimaldo em campo.
Na próxima jornada, jogo muito importante. Não podemos de maneira nenhuma facilitar. Entrar muito fortes e resolver o jogo rápido, sem passar por sobressaltos. Depois, dois jogos muitos difíceis e que podem definir muito da nossa época.
Artigo escrito por P1nheir8, no blog Eu Visto de Vermelho e Branco
O artigo original contém vários lances elucidativos da opinião do autor.
submitted by veribaka to benfica [link] [comments]


2015.08.19 14:32 HeroOfNothing As fabricas de pessoas.

Estava a ler aquele tópico sobre a área em que as pessoas estudaram, e na que trabalham, e estava a fazer uma resposta, que ja ia um bocado comprida, e visto que este sub é tão pequeno, porque não abrir um relacionado com esse assunto? Pronto, assim o fiz.
Não sou um tipo velho, estou na casa dos 30, mas a malta que hoje em dia que está / sai da faculdade, parecem feitos em fabricas! Isto assusta-me.
Eu quando era miúdo, em tom de brincadeira, ajudava o meu avô a tratar da horta, obvio que nao me aguentava mais de 15 min ali a cavar, só fazia porque parecia giro, e o meu avô tb achava piada porque no fundo, tinha aquele cantinho para me mostrar as batatas e as hortaliças a crescer e como se fazia. Quando tinha que remendar o pneu da bicicleta, ele também me dava uma ajuda, mas eu com 7 anos, sabia desmontar a roda, tirar a câmara de ar, e procurar dentro de um alguidar cheio de água onde estava o furo. Quando era a parte de remendar, lixar um pouco a borracha e aplicar cola, ja me davam alguma ajuda, mas passado uns tempos já o fazia sozinho. Da mesma forma que mais tarde, quando ele me dizia "Puto, o Inverno este ano foi rigoroso, ta ali um buraco na entrada da garagem, temos de fazer um bocado de cimento para o tapar".
Desde pequeno que gostei de bicicletas e carros e motas e coisas dessas, portanto, já adolescente, quando quis uma mota, informei os meus pais, que me responderam prontamente "Arranja-te que daqui não levas um caralho". Bom, não foi tão literal, mas desde muito cedo me deram a entender que se eu queria alguma coisa, me ia ter que mexer. Assim o fiz, entreguei panfletos, pintei muros de casas, e obviamente, depois os meus pais acabaram por me ajudar no que queria e eu la tive a mota. Até para tirar a licença, só pedia uma vez ajuda, pois era necessário levar alguém para o exame. De resto, eu é que andei em câmaras a procura de informação, onde tinha de me inscrever, que papeis eram necessários etc. Depois de ter mota, entregava pizzas, que outro emprego poderia ter um estudante do secundário ? Quando a mota se estragava, eu é que a arranjava. Pagar balúrdios por hora a um mecânico ? No way! Vou a procura, abro, vejo, experimento, mexo, sujo as mãos. E aprendi bastante, juntamente com mais amigos, havia gente que sabia mais que outros, e sempre partilhava-mos, e íamos aprendendo.
E sempre levei a minha vida um pouco assim, mesmo profissionalmente, não comecei nem de perto nem de longe na área para a qual estudava, mas ajudou-me imenso profissionalmente, ja trabalhei na área, e hoje em dia, um pouco desviado, mas não é na minha área, e não me posso queixar. Por vezes pergunta-me, mas como sabes tanto de carros? ou motas? "Não sei? Porque li ?" "Desde quando é sabes que a batata deve ser cavada a uns cm do chao?" "Porque... porque fiz isso com o meu avô?" Desde quando sabes que é uma medida de cimento para 3 de areia"? Estudas-te engenharia ?" Não ... Estudaste fisica? Não ! As vezes, pessoal mais novo, acha que as coisas só se aprendem na faculdade, que o que aprendes na faculdade é aquilo que vais fazer o resto da tua vida até morrer! Há gente desempregada com 20 e poucos anos, saídos da faculdade, que respondem "mas essa não é a minha área... Eu não estudei isso, não sei fazer" O mundo esta-se a tornar assim ? Quem estuda desatarrachamento de porcas, vai ficar a desatarrachar porcas a vida toda, o rapaz que faz o parafuso, so vai ver parafusos a vida toda ? É esta realmente a ideia que circulam na mente dos mais jovens ? Qual é o problema de ver outras áreas ? Há tanta coisa que se faz neste mundo, onde engenharias, design, informática, se aplicam, e por vezes muito mais bem paga.
Hoje que penso nestas coisas, percebo porque o meu avô me mandava plantar só uma ou duas batatas, ou porque fazia eu os remendos da minha bicicleta, ou porque a minha mãe uma vez por outra me pedia para fazer o jantar, ou para passar a ferro "só 3 peças", ou o meu pai para o ajudar, a por óleo no carro e me mostrar como funcionava isto e aquilo e para que servia, ou como mudar a tomada lá de casa, ou uma serie infindável de coisas que "Sei porque já o fiz", e que muita gente hoje em dia parece que .. não sabe.. nunca fez... não viu, não faz ideia como funciona.
Edit: desculpem se está um pouco atabalhoado, mas comecei a escrever quando tinha mais tempo que trabalho, é entretanto mudou, e fui escrevendo aos poucos.
Edit2: Bom, isto teve mais respostas e pensamentos contra ou a favor do que eu alguma vez imaginaria, apesar de tudo, quero deixar aqui claro, que não acho ser ou penso que sou uma estrelinha super brilhante "no meio dos putos", eu sou tão puto ou pior que os outros, depois, o que eu expressei aqui foi apenas várias situações que acompanhei, ou profissionalmente, ou pessoalmente, e de todo faço de 1 caso, todos os casos. Aliás, já me aconteceu precisamente o oposto num caso em particular.
submitted by HeroOfNothing to portugal [link] [comments]


Rosto de idoso - Como alterar filtro para velho Brilhante Victoria/ Victorious- O encontro oposto Dublado (6/6) Júpiter ao vivo - Planeta mais Brilhante - YouTube Sob o Sol  Under the Sun - COMPETIÇÃO INTERNACIONAL: LONGAS OU MÉDIAS-METRAGENS Brilhantes OVNIs no Missouri MEU MATERIAL ESCOLAR 2020! ❤️

Imagens Oposto Vetores, fotos de arquivo e PSD grátis

  1. Rosto de idoso - Como alterar filtro para velho
  2. Brilhante Victoria/ Victorious- O encontro oposto Dublado (6/6)
  3. Júpiter ao vivo - Planeta mais Brilhante - YouTube
  4. Sob o Sol Under the Sun - COMPETIÇÃO INTERNACIONAL: LONGAS OU MÉDIAS-METRAGENS
  5. Brilhantes OVNIs no Missouri
  6. MEU MATERIAL ESCOLAR 2020! ❤️

Sob o Sol, de Vitaly Mansky COMPETIÇÃO INTERNACIONAL: LONGAS OU MÉDIAS-METRAGENS (2016) Para obter permissão para filmar, por um ano, a vida cotidiana em Pon... The next video is starting stop. Loading... Watch Queue SE INSCREVAM NO MEU SEGUNDO CANAL DE VLOGS - https://www.youtube.com/channel/UC-s2JuY2SUBAqB8NRATPlKg VÍDEO COMPRANDO MEU MATERIAL ESCOLAR: https://www.youtu... No início da noite, olhe para o leste – para o lado oposto ao sol. Será um ponto muito brilhante, com uma luz fixa (as estrelas brilham, não os planetas, porque não emitem sua própria luz). caso 102690 ocorreu dia 12/08/2019 em East Prairie / Missouri Descrição detalhada Eu cheguei em casa para o almoço, era cerca de 7:45 pm, estava prestes a ficar escuro, eu estava andando na ... O FaceApp utiliza um sistema de reconhecimento facial para fazer montagens e transformar o rosto das pessoas em velhos, crianças, para o gênero oposto, mudar...